publicidade

Escassez afetiva: não cultive a rejeição. Relacionamento precisa ser uma via de mão dupla

Às vezes, nós nos encontramos em uma relação onde o que predomina é a “escassez afetiva”, embora haja uma boa química.



No momento em que você está com a pessoa, o patrocínio hormonal fala mais alto e tudo fica bom.

Mas quando você vai embora, volta a sensação de estar só.

Quando estamos apaixonados  a “insanidade temporária” se instala, a pessoa dá todos os sinais possíveis, mas você entra em uma luta interna para não enxergar a verdade.


Sabemos que a presença é uma manifestação de afeto, claro que cada um expressa o amor de forma diferente, ainda mais quando se fala da diferença de comportamento entre homem e mulher, agora, a presença deve existir, pois é através dela que se verifica a reciprocidade afetiva.

A relação saudável precisa ser uma via de mão dupla, a disponibilidade precisa ser no mínimo parecida entre as partes.

Dependendo do “quanto” a pobreza afetiva influencia na relação, uma saída é negociar um formato mais saudável para ambos.

Agora, se você não está disposto a fazer uma dieta relacional, passar fome de amor, CAIA FORA!


Não cultive a rejeição, não fique esperando, pois quanto mais o tempo passa, pior fica.

Já pensou que talvez vocês tenham objetivos distintos?

Vai doer de qualquer jeito, então é melhor a “dor” com dignidade.

Como diz o coaching de relacionamento Arly Cravo: “Mais vale chorar pela perda de uma boa química do que chorar uma única lágrima pela perda da dignidade.”


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.