Comportamento

Escola pede aos pais que não usem pijamas quando levarem os filhos: “Usem roupas adequadas”

capa site Escola pede aos pais que nao usem pijamas quando levarem os filhos Usem roupas adequadas

Como você se sentiria se suas roupas, ao deixar as crianças na escola, fossem criticadas até publicamente?

O senso de estilo é algo que não faz parte da personalidade de todos os indivíduos na face da Terra. Alguns se esforçam para agradar aos olhos dos demais, outros nem sequer precisam pensar nas roupas, já que têm noção correta da combinação de roupas e existem também aqueles que insistem em sair de casa de qualquer jeito.

É claro, todos são livres para usar o que bem entender, principalmente se as roupas e/ou o estilo não afetarem a vida de quem estiver ao redor. Mas, no Reino Unido, aparentemente a forma como os pais se vestem para deixar os filhos na escola impacta — e muito — a comunidade local.

O assunto tem polemizado nas redes sociais e dividido opiniões. A Ayresome Primary School emitiu um comunicado no perfil do Facebook, pedindo aos pais para se vestirem de maneira apropriada para levar os filhos à escola. A iniciativa foi tomada porque os funcionários da instituição começaram a perceber que grande número de responsáveis apareciam de pijamas, chinelos e roupões.

A diretora Charlotte Haylock postou o “lembrete educado” no Facebook, mais tarde dizendo que os pais devem “usar roupas apropriadas ao acompanhar seus filhos à escola”, isso porque a instituição preza pela maneira correta de ensinar as crianças a se vestirem, o que significa que os adultos precisam dar-lhes o exemplo diariamente.

Mas o pedido não foi bem recebido por todos, e as opiniões sobre a maneira de a escola se posicionar se dividiram. Para alguns pais, a instituição está certa, pois é preciso certo empenho por parte dos pais, que também são vistos como integrantes do local. Mas outros acharam a abordagem extremada, usada como forma de julgar todos que não se encaixam no ideal de paternidade e maternidade fomentado pelo local.

Segundo reportagem do Mirror, Aimee Baker, mãe de um jovem de 17 anos, explica que o problema não é de hoje e que muitos pais acabam ridicularizando os próprios filhos com a postura que adotam. Além de trajes considerados inapropriados quando deixam suas crianças na unidade educacional, voltam para buscá-las, horas depois, vestindo as mesmas roupas.

Além de embaraçosa, a questão também é considerada “nojenta” e “anti-higiênica”, o que pode representar um péssimo exemplo para os filhos. Conforme Baker, não existe dificuldade alguma em tomar banho e se vestir de maneira adequada todos os dias de manhã. Um pai que não quis ser identificado reforçou estar cansado dessa postura dos responsáveis, porque também defende a posição de que se vestir pela manhã é algo muito simples.

Uma das maiores preocupações dos pais seria o fato de as próprias crianças passarem por momentos constrangedores, podendo sofrer bullying, sendo maltratadas por outras dentro da instituição, isso porque, teoricamente, o comportamento dos pais seria suficientemente provocador, fazendo outras crianças se sentirem envergonhadas.

Um dos pais, também em relato anônimo, disse que não espera alguma mudança, pelo menos nos próximos meses. De acordo com ele, a maioria dos pais não acata nenhuma recomendação da comunidade escolar, deixando de ouvir ou de acatar qualquer pedido feito.

Além dos que defendem, muitas pessoas usaram as redes sociais para se posicionar a favor dos pais. Segundo Rob Abel, por exemplo, a escola está desviando do foco principal, que é se concentrar na educação infantil, e que o escopo de exigências deve girar em torno dessa base principal. Ele ainda perguntou quem era a diretora que queria dizer como cada um deveria se vestir.

Para outra mãe, Natasha Davis, cada um pode se vestir como achar melhor, desde que cumpra seu dever como pai ou mãe. Se a principal necessidade é fazer com que os filhos cheguem em segurança à instituição, e estão fazendo isso diariamente, dentro do horário, não deveria existir nenhum tipo de repreensão.

0 %