Comportamento

Especialistas em parentalidade positiva falam de 10 motivos para nunca bater nos filhos!

Foto: Reprodução
capa site Especialistas em parentalidade positiva falam 10 motivos para nunca bater nos filhos

Muitas vezes, naquele momento de raiva, perder o controle pode ser um fator decisivo na hora de educar os filhos. Será que isso é benéfico?

Debates acerca da parentalidade e de como educar os filhos são recorrentes, principalmente nas redes sociais. Sempre vemos aquelas pessoas dizendo que “apanharam e continuam vivas”, explicando que o mau comportamento infantil é culpa da ausência de chineladas, e por aí vai.

Essa infinidade de posicionamentos a favor da violência infantil intrafamiliar pode fazer com que esse comportamento seja naturalizado, ou seja, visto como algo comum em alguns tecidos familiares. Vale lembrar que a agressão infantil, independentemente da intensidade, é crime e contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Por mais que muitos adultos se recusem a enxergar, as crianças e os adolescentes são indivíduos assim como os demais, portanto, possuem os mesmos direitos, incluindo leis que os protejam de violências e agressões, mesmo que sejam causados pelos próprios pais. Isso porque os filhos não podem ser tratados como “propriedade”, dando aos pais e/ou responsáveis o direito de fazer com eles o que bem entenderem.

Indo um pouco mais além, é preciso compreender que esse tipo de comportamento violento é capaz de ferir gravemente as crianças, e não apenas fisicamente, mas emocionalmente. Os tapas e a violência emocional são capazes de causar traumas que dificilmente serão curados, desencadeando uma série de doenças físicas e emocionais.

Muitos especialistas em parentalidade positiva e criação neurocompatível expõem os motivos para nunca bater nos filhos. Abaixo elencamos os dez principais, confira!

1. Agressões causadas pelos pais acabam com a autoestima e a confiança

Quando os adultos, os ídolos das crianças, exemplos de beleza e força, usam a violência como método de punição, fazem com que os filhos se sintam completamente desprotegidos. É como se eles nunca pudessem confiar em alguém ou como se eles fossem os culpados por tudo de ruim que acontece.

2. A violência faz as crianças se sentirem humilhadas

É importante falarmos abertamente sobre as agressões infantis, elas causam um sentimento de injustiça e humilhação. Caso seja difícil compreender isso, basta apenas imaginar o seu chefe batendo no seu rosto ou no seu corpo depois que você fez algo errado durante a jornada de trabalho. Pode parecer surreal, não é mesmo? Mas não é. Analisando de maneira fria, existem posições hierárquicas na maioria das famílias, assim como no trabalho, isso significa que assim como as pessoas não podem se agredir quando adultas, tampouco o podem quando crianças ou agredir crianças.

3. Bater nunca vai melhorar o comportamento

A violência nunca será capaz de fazer com que seu filho compreenda o certo e o errado, e muito menos que passe a se comportar da forma como você deseja. Em primeiro lugar, eliminar esse condicionamento em vez de esperar das crianças pode ser um passo inteligente a dar, pois elas nunca vão fazer aquilo que esperamos, e mais, elas não são miniadultos, estão aprendendo sobre o mundo, e nós somos seus guias.

4. Agressões fazem naturalizam a violência

Sim, seu filho vai passar a agredir os colegas na escola, e se sofrer violência verbal, fará o mesmo com as crianças menores e mais vulneráveis. Falamos muito sobre bullying e esquecemos que grande parte dos valentões são “criados” pelos próprios pais, que agem de maneira agressiva quando precisam lidar com comportamentos inesperados.

5. Não adianta pedir “desculpas” e agir da mesma maneira

Além do pedido se tornar vazio, nada ensina à criança, que acredita que é normal mentir e fingir que vai mudar o comportamento. Lembre-se que somos espelhos dos nossos filhos, eles nos observam atentamente, o tempo todo, e se estamos vendo um comportamento de que não gostamos, talvez seja o momento de olhar para nós mesmos.

6. Violência física ou verbal pode ser incurável

Quando o ciclo de violência é constante, pode ser que mesmo o acompanhamento psicológico durante toda a vida adulta não seja suficiente para ajudar a acalmar essa pessoa. Traumas e comportamentos que demonstram a tristeza e a baixa autoestima passam a ser a realidade desses pacientes.

7. As lembranças passam a ser de violência

Pode ser que você tenha perdido o controle poucas vezes, saiba que, provavelmente, esses serão os momentos de que seu filho vai lembrar de ter passado com você no futuro. Independentemente do tamanho da bondade, calma e tranquilidade que mostre posteriormente, os traumas ficam profundamente gravados em quem sofre.

8. Eles nunca vão se abrir com você

Não adianta tratar com desprezo e falta de respeito na infância e esperar que eles sejam seus confidentes na adolescência ou na vida adulta. A mágoa permanece, o que pode desencadear o desprezo deles por você quando compreenderem os sentimentos de maneira mais profunda.

9. Eles vão aprender a mentir

Com medo de serem vítimas de agressões, eles vão aprender a se defender, o que significa que uma série de comportamentos furtivos podem aparecer. Mentiras, sumiços repentinos e até fugas “inexplicáveis” de casa. A violência é apenas uma forma de afastamento, nunca de educação.

10. Nunca vão respeitar você

O medo só vai provocar a ira e a insatisfação dos seus filhos, que nunca vão respeitar os pais, apenas sentir receio. Ou seja, tudo aquilo que você busca com as violências vão ser levadas ainda para mais longe, dificultando a criação e sendo uma das principais causas de problemas emocionais no futuro, de comportamentos agressivos e demonstração gratuita de violência.

0 %