publicidade

Esperança: médicos foram capazes de destruir células cancerígenas sem quimioterapia!

O estudo ainda está em fase experimental, com camundongos, mas a descoberta pode trazer grande esperança para todos que convivem com o câncer!



A comunidade científica do mundo inteiro está sempre investindo em novos experimentos para combater doenças graves e comuns, como o câncer. Os pesquisadores estão em constante busca de descobertas que ajudem a combater doenças de maneira mais eficaz e menos invasiva para o organismo dos pacientes.

Recentemente, cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura, chegaram a uma descoberta muito interessante, que pode trazer esperança a todos que enfrentam a batalha contra o câncer.

Os cientistas foram capazes de matar células cancerosas e reduzir o crescimento de tumores em camundongos, usando uma nova abordagem, que transforma uma nanopartícula em um “cavalo de Tróia”, ​​fazendo com que as células cancerosas se destruam.


Segundo o artigo sobre o experimento, publicado pela própria universidade, os pesquisadores criaram a nanopartícula ​​ Nano-pPAAM, revestindo-a com o aminoácido L-fenilalanina, do qual as células cancerosas dependem, junto com outros aminoácidos semelhantes. A L-fenilalanina é um aminoácido “essencial”, mas como não pode ser produzida pelo corpo, deve ser obtida a partir de alimentos, geralmente a carne e os laticínios.

A nanopartícula de sílica, junto a L-fenilalanina, estimula a produção excessiva de espécies reativas de oxigênio (ROS), um tipo de molécula reativa no corpo, fazendo com que as células cancerosas se destruam enquanto permanecem inofensivas para as células saudáveis.

A abordagem dos cientistas leva em conta a dependência que as células cancerosas têm dos aminoácidos e, ao mesmo tempo, busca evitar os desafios de regimes dietéticos estritos de determinados pacientes.

O professor-assistente Dalton Tay, principal autor do estudo, disse que a pesquisa foi contra a sabedoria convencional, usando o nanomaterial como uma droga, em vez de um portador de drogas. Ele acrescentou que as propriedades do Nano-pPAAM são intrínsecas e não precisam ser “ativadas” por nenhum estímulo externo, e que o aminoácido L-fenilalanina atua como um “cavalo de Tróia”, uma capa para mascarar o nanoterapêutico por  dentro.


A nanopartícula desenvolvida por eles matou cerca de 80%das células cancerosas da mama, da pele e do estômago dos ratos, o que é comparável a efeito das drogas quimioterápicas convencionais, como a Cisplatina. O crescimento do tumor em camundongos com células humanas de câncer de mama triplo-negativas também foi significativamente reduzido em comparação com os modelos de controle.

O professor e coautor do estudo, Tan Nguan Soon, explicou que, nos tratamentos atuais de quimioterapia, muitas vezes, o câncer recorrente se torna resistente ao medicamento, e que a estratégia criada pela equipe não envolve o uso de quaisquer medicamentos farmacológicos, apenas das propriedades únicas das nanopartículas para matar as células cancerosas.

O professor associado Tan Ern Yu, especialista em câncer de mama do Hospital Tan Tock Seng, sente confiança na descoberta e acredita que a nova abordagem pode ser muito promissora para as células cancerosas que não responderam ao tratamento convencional, como a quimioterapia.

O próximo objetivo dos cientistas é refinar o design e a química do Nano-pPAAM para que se torne mais preciso na segmentação de tipos de câncer e alcance mais eficácia terapêutica.

Essa é uma ótima notícia. Quanto mais eficazes forem os tratamentos contra o câncer, maiores as chances de vitória dos paciente contra a doença!

Comente abaixo o que achou da novidade e compartilhe-a com os amigos nas redes sociais!

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.