publicidade

Estamos vivos ou paralisados? o mito de medusa e o medo do novo.

Na mitologia grega, o mito de medusa é um dos mais enigmáticos e curiosos; trata-se de uma criatura assustadora, uma mulher com cabelos de serpente, presas de bronze e asas de ouro.



Medusa fora um dia uma bela sacerdotisa no templo de Atena, portanto, não podia se relacionar com homens. Um dia, porém, seduzida por Poseidon, o deus dos mares, deitou-se com ele no templo da deusa. Ao constatar o fato, Atena a castiga, transformando seu cabelo em serpentes e seu rosto adquire uma forma assustadora, que transforma qualquer criatura que a olhe nos olhos em pedra.

Medusa, em sua solitária existência, é ainda mais trágica do que midas, que em tudo o que toca transforma em ouro; medusa não pode sequer direcionar o seu olhar.

Se fizermos uma breve reflexão acerca das nossas relações pessoais, sejam elas com amigos, colegas, familiares, esposos (as) e namorados (as) temos nós também esta tendência: “petrificar” a imagem do outro e pouco ser receptivos ou abertos às mudanças. Ficamos paralisados em nossas ações, porque nos relacionamos com a imagem que fizemos do outro, como uma espécie de “fotografia”; não com quem de fato se apresenta naquele momento e circunstância.

As pessoas, porém, são “fotografias” vivas, em constante movimento. Então acontece algo trágico e muitas vezes inevitável: temos os mesmos comportamentos do passado, para situações presentes, totalmente diferentes. Estamos nós também petrificados, assim como no mito, pois ela também representa o que de mais assombroso podemos enxergar em nós mesmos: necessitamos de um escudo espelhado (o outro, para se proteger e ao mesmo tempo se ver) sem que nesse processo eu fique paralisado e morra, ao me deparar com meus aspectos mais monstruosos e inconcebíveis: os preconceitos, raivas, traumas e o ódio que existem em mim.


Não somos perfeitos e sabemos disso, mas temos a tendência de apontar as falhas e defeitos dos outros, perdendo um tempo precioso que deveria ser usado no próprio crescimento e desenvolvimento!

E é nas relações com os outros que podemos nos enxergar e descobrir aspectos que ainda não conhecemos em nós mesmos ou que resistimos em admitir.

Meu olhar tem a capacidade de paralisar os outros e, por muito insistir em velhas atitudes, acabo também me paralisando: a estagnação dessa energia psíquica representa a morte. Na natureza, apenas não se transforma o que não está vivo e isso também se aplica a nossa realidade.

Se sou alvo do olhar aterrorizante da “medusa”, sou petrificado, a partir do momento em que aceito o papel ou lugar no qual sou colocado, papel designado pela fala do outro, não pensando em possibilidades diferentes de agir, ser e existir no mundo e pior: não permitindo essa mudança de papéis aos outros.


Há então uma linha muito tênue entre crescer e aprender com as relações, a partir do olhar do outro e usar o olhar do outro para assumir um papel petrificado e único!

Se formos capazes de nos enxergar através do reflexo e melhorar aspectos que nos prejudicam ou prejudicam aos outros, talvez possamos ascender aos céus como Pégaso, um dos filhos de medusa que nasce com a decapitação da mãe, representativo da poesia, amor, criatividade e elevação espirituais, ao invés de sermos transformados em estátuas.


Direitos autorais da imagem de capa: wallpaper/55967

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.