Este é um texto para recomeços…

Este é um texto para recomeços! (Acabou, ele (a) foi embora, mas eu não me deixarei para trás)! O Universo conspira a seu favor quando você conspira a seu favor. E isto é o bastante. Siga em frente!

A gente nasce dependendo dos pais, morre dependendo dos filhos, e, no ínterim, achando que depende de alguém para ser completo. “O amor pode emendar sua vida, mas o amor pode quebrar seu coração”, uma das melhores definições que vi sobre o amor… mas não estou aqui para falar dele, vim falar do desamor, do fim, de quando você é obrigado a se olhar no espelho e ver-se aos pedaços; e seguir em frente, mesmo assim.

Este é um textão em protesto ao clichê “não fica assim não”, “isso vai passar”, “ela (e) não o merece” que os outros enfiam goela abaixo quando você já está no fundo do poço.

Eu não costumo colocar minha vida pessoal nos meus textos, mas hoje eu vou colocar meu coração nas suas mãos, na esperança de que ele seja um ombro amigo e o ajude a superar um dos momentos mais difíceis da vida. Antes: UM: “seguir em frente” não é ignorar o que aconteceu.

Segundo a psicologia, o luto tem cinco fases (negação, raiva, depressão, negociação e aceitação), e é importante que você se permita viver cada uma delas, sem se apressar ou tentar pulá-las.

Não é fingir que está tudo bem ou fazer papel de super-herói do gelo. DOIS: Por favor, não atire pedras em quem o deixou para trás! Não importa quão errado ela (e) tenha sido, nem quantos defeitos ela (e) tenha, um dia ela (e) o  (a) fez feliz. Lembre-se disso! Não é ferindo o caráter dela (e) que você vai se curar. Desabafar é importante, aliás, é obrigatório, mas não saia por aí denegrindo a imagem de alguém. TRÊS: A intenção não é fazer você esquecer, mas ajudá-lo a lembrar, sem sentir ódio ou mágoa.

Para mim, não foi sobre tudo o que aconteceu, o mais difícil foi tudo o que não ia acontecer! Eu tinha tantos planos… NÓS tínhamos planos, sonhos que eram nossos, sonhados juntos, e, de repente, ela (e) foi embora, como se numa daquelas conversas, entre risos e carícias, tivéssemos planejado e decidido esta partida abrupta.

Se ela (e) me alertou sobre isto em algum momento, deve ter feito aos sussurros, enquanto eu dormia ao seu lado, ou numa língua que eu não conhecia. Sem tocar meus lábios, ela (e) deixou um gosto amargo na minha boca, estômago e coração. Jogou uma pilha de sentimentos, planos frustrados e sonhos em forma de feto no meu peito, acompanhado de um bilhete “se vira!”, e simplesmente foi embora!

“Fim”. Todos os planos, risadas, noites, até os beijos na testa, esforços, etc. não valiam mais nada! Nem mesmo a mais bela memória (que realmente aconteceu) teve impacto nessa decisão. E o pior é que não foi algo sobre qual concordamos e decidimos em conjunto – como todo o resto –, foi um que decidiu pela vida e futuro de dois. Pode isso? Não é contra as regras? Não é injusto? Pois é. Eu sei que não era perfeito – o que é perfeito neste mundo? –, mas… é isto?! A sensação de amor, importância, pertencimento, companhia, segurança e outras tantas, do nada, tornaram-se apenas memórias. E a realidade era bem mais feia do que isso. E é isto que tive que enfrentar, lidar e superar.

Os sentimentos ficaram misturados e confusos. Acho que não era raiva, julgamento ou vingança. Era arrependimento… de tudo o que não fizemos para não estar vivendo aquele momento doloroso.

Foi a chuva dos “se eu tivesse feito isso e falado aquilo”. Mas foi uma chuva que caiu onde não havia mais sementes, só terra seca. Talvez tenha sido a certeza de que estaríamos juntos não-importa-o-que que tenha causado isso. De qualquer forma, entender o que acontecia dentro de mim foi o primeiro passo para sair daquele buraco.

Usando a linguagem do octógono: estou lutando por horas, ensanguentado, com a visão turva e morto de cansaço; um momento onde desistir não é opção. Mas é preciso se entregar, aceitar o resultado. O pouco de energia que me restava precisava ser poupado para uma luta mais importante e difícil.

Eu me sentia sozinho, fraco, vulnerável, indigno e rejeitado. Só havia duas possibilidades: seguir em frente com outra pessoa, e ela (e) não tem nada a ver com isto tudo, portanto, eu tinha que limpar a bagunça (e não ter vergonha das cicatrizes). Ou. Voltar para a mesma pessoa e tentar outra vez, portanto, tinha que limpar a bagunça!

Se ia recomeçar, seria renovado, sem raiva, sem dor, sem jogar na cara.

Meus textos falam (muito) sobre amor próprio porque quando momentos assim acontecem, você é a única pessoa 100% ao seu lado. Você tem-que ser a sua melhor versão.

Por isso seu mantra tem-que ser “Eu sou valioso. Eu sou amável. Eu sou amado. Eu sou o bastante. Eu sou bom. Eu supero.”, e esta energia deve ser construída – que deve ser acompanhada de ações – todos os dias. Porque quando você precisar dela, você vai tê-la (o), e não precisar se humilhar e implorar para que alguém o dê ela. Se alguém lhe der, será para somar, não para preencher.

Sabe aquela coisa do “diga o fraco: ‘eu sou forte’”? É uma ótima hora para usar! Está se sentindo rejeitado? Diga: “eu sou aceito. Eu me aceito.” Mude sua energia.

Não precisa se preocupar com Ego porque você vai descobrir que você é cheio de falhas, você vai precisar olhar para trás e ver que você errou (no relacionamento), vai precisar assumir e aprender com estes erros.

“É muito melhor perceber um defeito em si mesmo, do que dezenas no outro, pois o seu defeito você pode mudar.” (Dalai Lama)

Rolou uma mentirinha? Omissão? Egoísmo? Você escolheu o seu orgulho, em vez do relacionamento? Às vezes, o que você vê como “cuidado” ou “privacidade” o outro pode ver como “egoísmo” (e ninguém quer estar numa relação onde o outro só pensa em si). Você escolheu o futebol/a novela em vez do seu amor? Não importa os defeitos do outro, corrija os seus!

Quando você foca na dor, você se vê como vítima e sofre. Quando você foca no aprendizado, você se vê como aluno da vida e cresce. As duas opções são válidas, mas esta escolha afeta a energia que você vibra; e você atrai aquilo que você emite.

O tempo não para, não fique preso a um momento por causa de alguém ou algo. Aprenda a lição para não ter que ser colocado nesta situação nunca mais! A vida traz exatamente aquilo que você plantou, não importa quão pequena tenha sido a semente! Não se esqueça da Lei do Retorno. Você fez algo para merecer isso, você criou isso. A fé não pode ser usada e esquecida a seu bel prazer.

Erga a cabeça, projete seu futuro (de novo). Onde e como quer estar em um ano? Chorando ou vivendo outra coisa? Repetindo o ciclo ou experimentando algo novo? Se você vir alguém na mesma situação na qual você está agora, poderá ajudá-lo? Quão mais forte e sábio você será? Tudo começa agora. Cuide-se, respeite-se, ame-se. Com ou sem AQUELA pessoa.

Você não precisa encontrar todas as respostas já. Mas, enquanto as encontra, faça o seu melhor, seja o seu melhor. Chore o necessário, enxugue as lágrimas e recomece. Acorde todos os dias e dê a si mesmo energias positivas: amor, bons sentimentos, palavras gentis.

Cuide do seu coração, mente, corpo e alma. Não seja destruído, seja esculpido.

Não desperdice a vida por algo que já morreu. Ela (e) partiu, já o deixou, foi viver. Viva você, também! Use as últimas gotas de suor para matar a esperança de que as coisas poderiam ter sido diferentes. (A esperança será o seu maior e pior inimigo, no octógono. Não dê espaço a ela. Não tenha piedade. Acabe com ela!) Crie um plano que o entusiasme, que o prenda a atenção e o devolva o T-grande pela vida! Um plano que O levará para frente, quando as lembranças tentarem te arrastar para trás.

Cerque-se de pessoas quando precisar. Afaste-se delas quando sentir necessário. Bloqueie sim. Delete sim. Você não está mais na escola, não precisa de boas notas para ser aprovado, só precisa de bons momentos. Crie-os!

Ouça músicas alegres, maratone séries e filmes, beba vinho tinto, coma chocolate, gargalhe, sorria, dance, assista às estrelas, cante, brinque com o cachorro, abrace quem você ama… Os sentimentos morrem, mas renascem por outra pessoa. Não seja um cemitério por dentro. Não se destrua, não se humilhe, não recue. Não desista de você só porque outros desistiram. Você não precisa deles, você precisa de você!

Esteja lá por você, seja seu melhor amigo, conte consigo. O Universo conspira a seu favor quando você conspira a seu favor. E isto é o bastante. Siga em frente!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: halfpoint / 123RF Imagens



Deixe seu comentário