4min. de leitura

Estou de volta em mais um recomeço, sentindo orgulho da mulher que me tornei!

De volta em mais um recomeço…

Quando era criança eu sempre quis trabalhar. Brincava de ser secretária. Eu admirava a minha mãe por trabalhar fora e queria isso para minha vida também.


Gostava da sensação de ser admirada por alguma coisa que eu realizei. Posso dizer que consegui chegar nesse estágio. Eu fiz a faculdade que sempre sonhei, me especializei e trabalhei na minha área. Sou admirada profissionalmente por muitas pessoas que eu admiro, mas principalmente me admiro como profissional.

Minha grande amiga foi conquistada no meu ambiente profissional. Somos confidentes até hoje. E há pouco tempo ela me descreveu de uma forma tão linda que ficou gravada na minha memória:

– Admiro você pelo excelente trabalho que faz, porque você é boa naquilo que faz. Você se dedica fica segura na frente de qualquer pessoa defendendo seu trabalho e é alegre. Ilumina o ambiente quando conhecemos você melhor. Até porque quando te conheci, te achei muito chata e metida. E você não é assim. Eu tenho orgulho de ser sua amiga.


Isso me comoveu porque diferente dos elogios que já havia recebido, eu não fui comparada com outras pessoas, não fui menosprezada por não ter seguido outros caminhos e também não fui invejada pelo que sou. Foi a simples e pura tradução do que ela pensava a meu respeito.

Na época desse elogio eu ainda estava em uma fase grave da minha depressão, mas pude perceber algumas coisas que eu também via em mim. Foi muito importante ouvir isso de uma pessoa que eu sempre admirei e me ensinou quase tudo que eu sei sobre minha área e que tem uma paciência de Jó comigo até hoje.


Só sei que esse meu avesso está me amadurecendo e me fazendo ter orgulho da mulher que me tornei.

Pude perceber que a depressão faz com que eu tenha uma visão pior da que realmente é. E por essa ser uma visão minha sou eu que tenho que trabalhar dentro de mim os aspectos que me levam ao terror de não ter orgulho de quem sou, e me achar menos feliz, menos merecedora e principalmente menos realizada.

A depressão depende sim somente da gente. Só que é difícil começar a perceber e a aceitar que somos maiores que os monstros que cultivamos por tanto tempo. Temos pressa em nos curar logo por nós, pelas pessoas que amamos e principalmente por aquelas que não desistiram de nós nessa jornada.

Não podemos dizer que nos curamos para sempre. A medicina só nos fornece a doença e a duvida acaba virando um monstro também kkkkkk. Só podemos dizer que estamos melhorando. E que, a cada dia que passa, nós temos um motivo pequeno de sentir orgulho de quem fomos naquele dia. Hoje, ainda em terapia, acredito que a depressão nos obriga a viver um dia de cada vez, lutando somente com nossos monstros e tendo paz para com todo resto.

Assim que deve ser? Não sei. Só sei que esse meu avesso está me amadurecendo e me fazendo ter orgulho da mulher que me tornei. Até a depressão pode nos ajudar. Tudo depende do impulso que você toma para caminhar.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.