Notícias

Estupro em metrô causa discussão sobre o uso correto do celular, diz polícia

metro capa

A polícia alega que o estupro de uma mulher em um metrô da cidade da Filadélfia, nos Estados Unidos, poderia ter sido evitado se outros passageiros que gravavam o “horrendo ato criminoso” os utilizassem para ligar para o número de emergência.



A mulher foi estuprada por volta das 21 horas do dia 13 de outubro em um trem operado pela Autoridade de Transporte do Sudeste da Pensilvânia (Septa), que faz a operação de transporte público dentro e nos arredores da Filadélfia.

“Havia outras pessoas no trem que testemunharam esse ato horrível, e ele poderia ter sido interrompido mais cedo se um passageiro ligasse para o 911”, disse o porta-voz do SEPTA, John Golden, em um comunicado enviado por e-mail à agência Reuters.

A Septa e o Departamento de Polícia de Upper Darby, que está a frente da investigação do caso, não confirmaram outros detalhes do incidente relatados pela imprensa local.


O vídeo de vigilância do vagão mostrou que a mulher tentou afastar o agressor, empurrando-o prontamente enquanto ele começou a apalpá-la e, por fim, a agredi-la sexualmente.

Durante o incidente de mais de 45 minutos, outros passageiros gravavam de seus celulares, no entanto, ninguém interviu.

Uma pessoa finalmente teve a ideia de ligar para 911. Foi a chamada de um funcionário da Septa fora do horário de trabalho que rapidamente trouxe os agentes à cena do crime, permitindo que cessassem o ataque e prendessem o agressor.

Fiston Ngoy, de 35 anos, é acusado de estupro, desvio involuntário de relações sexuais, agressão sexual e outros crimes. Ngoy, que colocou seu endereço mais recente como um abrigo para sem-teto na Filadélfia, foi preso sob fiança de US$ 18 mil (cerca de R$ 100 mil) e tem uma audiência marcada para 25 de outubro.


O ataque aconteceu após a mulher tomar algumas cervejas depois do trabalho e por engano, entrou no trem errado às 21h15. Alguns minutos depois, Ngoy entrou no trem, sentou-se ao lado da vítima e começou a tentar tocá-la. O incidente se configurou como estupro às 21h52.

Como agir em caso de estupro

Se você for vítima de estupro ou estiver auxiliando uma pessoa que tenha sido estuprada, os passos a serem seguidos são um pouco diferentes das dicas gerais fornecidas anteriormente.

É importante lembrar que o crime de estupro é qualquer conduta, com emprego de violência ou grave ameaça, que atente contra a dignidade e a liberdade sexual de alguém. O elemento mais importante para caracterizar esse crime é a ausência de consentimento da vítima. Portanto, forçar a vítima a praticar atos sexuais, mesmo que sem penetração, é estupro (ex: forçar sexo oral ou masturbação sem consentimento).


Uma pessoa que tenha passado por esta situação normalmente encontra-se bastante fragilizada, contudo, há casos em que a vítima só se apercebe do ocorrido algum tempo depois. Em ambos os casos, é muito importante que a vítima tenha apoio de alguém quando for denunciar o ocorrido às autoridades, pois relatar os fatos costuma ser um momento doloroso. Infelizmente, apesar da fragilidade da vítima é importante que ocorra a denúncia para que as autoridades possam tomar conhecimento do ocorrido e agir para a responsabilização do agressor.


Se você presenciar um episódio de violência contra a mulher ou for vítima de um deles, denuncie o quanto antes através do número 180, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.


Dinho Ouro Preto relembra de passado à base de cocaína e álcool: “Inferno”

Artigo Anterior

Cantor gospel dá calote de R$ 300 mil em lojas de grife

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.