Relacionamentos

Eu amei por nós dois

adultoeu amei por nós dois

Em todos os tipos de relacionamentos, sejam amorosos, profissionais, de amizade, sempre parece haver alguém se importando mais do que o outro, como se para uma das partes aquilo tudo fosse mais necessário, mais precioso, algo por que valha a pena lutar. Verdade ou não, mesmo que um ame mais ou menos – o que, de fato, parece imensurável -, é imprescindível que pelo menos haja entrega de ambas as partes. Um e outro devem se sentir, no mínimo, amados.



Os relacionamentos requerem acolhimento, entendimento mútuo e parceria, pois necessitam de trocas e entregas constantes. Quando nos relacionamos com alguém, passamos a dividir sonhos, expectativas e a construir um caminho de união e cumplicidade. Sem que haja disposição de ambas as partes envolvidas, um lado acabará fatalmente ruindo com o peso que acumulou somente para si, pois nenhuma relação unilateral fugirá a isso.

Muitos casais possuem esse descompasso emocional enquanto caminham e tentam se manter juntos, como se somente um deles estivesse disposto a renúncias, ao perdão, ao entendimento e ao entregar-se sem rodeios. Embora esse esforço de mão única seja capaz de prolongar a relação, inevitavelmente se chegará ao ponto de ebulição, quando o amor sucumbirá sob a carga de mágoas e de decepções que sempre encontram uma maneira de virem à tona.

Quando somente um dos parceiros oferece os lábios, estende as mãos, mantém os passos juntos, prepara a cama, o banho, a lista de compras, presenteia, conta sobre si e pergunta sobre o outro, então há desequilíbrio, desencontro e sobrecarga. Então não existe verdade inteira e completa, nem o vai e vem de energia e de carga afetiva que alimentam o amor a dois. Entregar-se sem receber nada em troca não condiz com o estabelecimento da serenidade reconfortante e renovadora que deveríamos encontrar junto de quem amamos, nem condiz com o amor em si.


É fato que as tarefas diárias e as atribulações intermináveis do cotidiano a que nos sujeitamos muitas vezes nos impedem de prestarmos atenção no que ocorre além do escritório e dos extratos bancários das contas que se acumulam. No entanto, nada justifica relegar diariamente quem está ao nosso lado à espera angustiosa do que nos dispuséramos a oferecer. Se conquistamos o amor de outra pessoa, é porque pudemos nos mostrar como alguém por quem valeria a pena se apaixonar e se entregar. Permitir que a rotina nos distancie daquele nosso eu que cativou o amor de alguém, mantendo o parceiro afogado em frustrações, ao enfrentamento de silêncios e de vazios emocionais, é injusto, chega a ser desumano, é egoísmo.

Precisamos assumir o compromisso que é estar com alguém, não apenas retornando para casa após o trabalho, cumprindo suas obrigações conjugais, cordialidades, superficialmente, sem que ao menos percebamos que existe alguém com sonhos ali do lado, ansiando por um olhar nosso que seja, mas fazendo com que o outro tenha a certeza de que estamos juntos e interessados nele – as pessoas necessitam saber que são importantes em nossas vidas. Não há possibilidade alguma de um relacionamento sobreviver com a entrega sincera e verdadeira somente de um, quando existem dois em jogo. Porque não existe amor pela metade, amor pendente, amor em haver, mas sim amor em comunhão e entrega de corpo e alma, sem hesitação, sem demora, sem solidão.

A síndrome da arca de noé

Artigo Anterior

As boas pessoas não sabem que são

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.