7min. de leitura

Eu não consigo (ou não quero) perdoar. E agora?

Perdoar se torna leve quando entendemos o que, de fato, significa perdoar.


Hoje vamos conversar um pouco sobre o perdão, e eu sei que esse assunto vai tocar em feridas de muita gente, assim como toca em minhas próprias feridas. Afinal, eu não sou diferente.

Para estar aqui conversando com vocês como terapeuta, eu precisei desvendar muitas sombras, precisei encarar muitas verdades que, até então, eu preferia não enxergar. Precisei tocar em muita ferida exposta.

Se foi fácil? Nem um pouco. Eu caí. Eu balancei. Mas me reergui, e se eu fui capaz de tudo isso, tenha certeza, você também é.


O que significa perdoar?

Por isso, vamos falar sobre o perdão de uma forma mais leve, porque ele não precisa ter esse peso que geralmente lhe conferimos. Perdoar se torna leve quando entendemos o que, de fato, significa perdoar. Muitas pessoas vêm até mim e falam sobre a dificuldade em perdoar, com frases do tipo: Como, Keissy, eu vou perdoar aquela pessoa que me traiu, me humilhou? Ou, ainda: Keissy, eu quero muito perdoar tal pessoa, pois reconheço que é positivo. Mas eu não sei como. Só de pensar em tudo o que ela me fez eu já sinto muita raiva, muita mágoa e ressentimento. É impossível.

Se você se identificou com esses dizeres, não se espante, essa dificuldade é mais comum do que se pode imaginar. Isso quando estamos falando de perdoar o outro.

Perdoar a mim mesmo. Como assim?

E quando olhamos para nós mesmos e não conseguimos nos perdoar? Algo que fizemos e acreditamos que não deveríamos ter feito. Algo que não fizemos e que acreditamos que deveríamos ter feito. E quando falamos então sobre aquela vaga de emprego que gostaríamos tanto de ter conseguido e, por fim, perdemos? E quando tanto pedimos a Deus uma bênção e ela, aparentemente, não vem? Como perdoar as coisas, situações e a Deus por não nos ter oferecido aquilo que, em nosso entendimento, deveríamos ter recebido?


Pois é. O assunto é intenso. É polêmico, mas extremamente necessário para que possamos realmente nos libertar de tantas somatizações físicas e psicológicas que estamos vendo no mundo todo. Crises e mais crises de ansiedade, depressão, pânicos. Doenças inimaginavelmente fortes. Fortes o bastante para acabar com a nossa vida.

Então, vamos entender, de uma forma bem tranquila, que perdoar o outro, a nós ou às situações não significa esquecer. Não significa ter de conviver com esses agentes. Não significa viver como se nada tivesse acontecido. Você, talvez, jamais esqueça aquela traição vinda de uma das pessoas em quem você mais confiava na vida. Mas é fundamental que você a perdoe.

Você, talvez, jamais se esqueça de como sofreu ao ferir alguém tão importante para você. Mas é preciso se perdoar.

Você, talvez, jamais entenda como Deus pode ser tão cruel por permitir que aquele ente querido, sempre muito bom com todos, morresse de forma tão doída e trágica. Mas é extremamente importante que você o perdoe.

Talvez, você jamais esqueça daquele sonho que lhe foi tirado das mãos por uma situação qualquer. Mas, mais uma vez, perdoe.

E, então, como perdoar? Você deve estar se perguntando.

E eu te digo que perdoar é sinônimo de aceitação. Mas não um aceitar pacífico, como quem aceita aquilo que vier. Um aceitar que nos permite honrar tudo e todos que passam por nossas vidas por entender que TUDO contribui para a nossa evolução como seres humanos.

Aceitar que tudo em nossas vidas acontece por um motivo muito maior do que nosso entendimento é capaz de compreender, e simplesmente ser grato. Grato não por ter sido humilhada e traída, mas por ter saído de tudo isso um pouco mais forte do que antes. Pois, pode ter certeza, você jamais será a mesma pessoa depois de tudo pelo que passou ou tem passado.

TODAS as pessoas contribuem de alguma forma para o nosso amadurecimento. Aprenda a aceitar que cada um oferece aquilo que carrega dentro de si, acolha com humildade e retribua para o mundo aquilo que você tem de melhor dentro de si por meio da gratidão pela oportunidade de estar vivo, aprendendo a cada dia.

Tudo o que você fez a alguém ou a si mesmo, de alguma forma, foi o melhor que você poderia ter feito dentro do seu nível de consciência, portanto, simplesmente aceite o que passou e aprenda a ser melhor a partir de então.

Deus, de forma alguma, é cruel. Pessoas morrem por motivos diversos, não é culpa sua e muito menos de Deus. É apenas o ciclo natural da vida, cada qual carregando seu carma, seu destino, sua história. Apenas viva com a lembrança de todos os momentos incríveis que passou com as pessoas que você ama, e seja grato por isso.

Perdoar é…

  • Ser grato pela experiência que lhe permite evoluir.
  • Retirar de si o peso de todos esses sentimentos nocivos a sua própria saúde.
  • Não é esquecer. Mas aprender a olhar sob um novo ângulo.
  • Não tem a ver com o outro, mas consigo. Perdoar é se libertar para viver uma vida de realizações, pois enquanto ficamos presas ao passado, deixamos de abrir espaço para que o novo surja em nossa vida.
  • É deixar que toda essa situação se vá, aprendendo a olhar para a frente com a calma de quem entende que é apenas uma fase de sua vida, e não a sua vida por inteiro.

Há tanto para se viver e festejar. Aprenda a celebrar o que há de bom e, pouco a pouco, você vai perceber que tem muito mais a agradecer do que a perdoar.

Permita-se ser livre. Perdoar é ser livre para voar e encontrar o que há de melhor no mundo.

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.