ColunistasRelacionamentos

Eu não desisti de nós

eu não desisti de

Oi, meu amor!



Como você está?

Faz tempo que eu não apareço, eu sei…

Mas espero que você sinta o suor das minhas mãos, enquanto eu controlo as emoções para te escrever as razões do meu coração.


Eu ainda sonho com você em algumas noites e por vezes, te encontro em meus sonhos. Eu ainda te procuro em outros rostos em lugares de tumulto, e me sinto frustrada quando não te encontro. Eu ainda leio as cartas que me deu e vejo as nossas fotos. Eu ainda fecho os olhos e te imagino ao meu lado, caminhando com os dedos fortemente entrelaçados. Eu ainda penso em você e te desejo em cada instante da minha imaginação. Eu ainda dou risada sozinha quando, em algum momento nostálgico, me pego lembrando do quanto nos dávamos bem. Eu ainda faço planos com você, sem que você se quer imagine. Eu ainda quero te levar para o altar, e levarei. E para isso, não precisaremos pegar um buquê, fazer simpatia ou contar com a sorte.

Enquanto houver amor, existirá esperança do nosso futuro bom.

Durante esse tempo que estamos longe, eu confesso que pensei muitas vezes em te procurar. É difícil assumir, mas eu tenho medo do que eu sinto por você. Não vou denominar que terminamos o nosso relacionamento, pois eu vejo essa pausa como uma fase de experiências produtivas para nos encontrarmos quando estivermos prontos. Não é uma questão simples de querer, estou falando de fazer dar certo para valer ao lado de quem amamos. Só eu sei o quanto me dói não ter você, mas a minha certeza do amanhã com você me faz continuar.

Quando eu falo que amar é deixar voar, estou me referindo a você. Um amor verdadeiro e forte, que nunca parou de vibrar dentro de mim e nunca deixou de ser ardente. É difícil te ver seguindo sem mim, e me bate um desespero toda vez que passa pela minha cabeça um outro alguém com você, fazendo morada no lugar que sempre me pertenceu. E não é porque eu te deixei livre que eu sou desapegada. Muito pelo contrário, eu acredito que quando é amor, amor mesmo, não derivados dessa palavra, a felicidade do outro está acima de qualquer coisa. Isso você sabe e não é nenhum segredo, eu dei o melhor de mim para descobrir e desvendar todos os seus sorrisos. Eu sempre gostei de testar os seus limites e consequentemente, você sempre obteve as surpresas mais inesperadas como forma de demonstrar o quanto eu era, e continuo sendo, louca por você.


Não fomos fracos em desistir, tivemos apenas a percepção de que as coisas não estavam bem. E não faltaram conversas, muito menos compreensão de algum dos lados. Resolvíamos juntos os problemas, mas a incompatibilidade de maturidade e experiências sempre falou mais alto. Era tudo recíproco, mas os nossos relógios estavam invertidos. É como se para conquistar os nossos objetivos tivéssemos que seguir em frente, mas eu optava pela direita e você pela esquerda. Ou seja, tudo ficou estagnado. Volto a repetir: menos o amor, que sempre permaneceu em chamas.

Inserimos uma vírgula com finalidade de não desgastar mais a relação que construímos. Fomos maduros e sensatos ao escolhermos a pontuação correta para continuar escrevendo a nossa história quando quiséssemos. Não fechamos o livro, também não rasgamos as páginas já redigidas. Apenas guardamos o que existe de mais precioso: o nosso respeito, cumplicidade, confiança, lealdade, carinho, amizade e amor. Fechamos em um baú tudo o que temos de maior valor. Fizemos isso tão bem, que ele não foi violado, e até hoje tudo permanece intacto.

Durante esse tempo sem você, você não imagina quantas coisas me aconteceram. Eu passei por muitos momentos bons e tantos outros ruins. Eu descobri espinhos em rosas, e o sabor amargo em frutas doces. Eu tentei acertar, mas errei na maioria das vezes. Eu caí e levantei, fracassei e me reergui. Eu concluí o que comecei, e fui reprovada em alguns testes. Eu cresci mais rápido do que era possível, e agora as responsabilidades fazem parte de mim. Durante esse tempo sem você, eu achei que não ia conseguir chegar tão longe. Eu senti a sua falta e por um bom tempo, perdi o sono chorando com saudade. Durante esse tempo sem você, eu estabeleci metas maiores, mas esqueci que sem você não seria possível executá-las. Durante esse tempo sem você, eu achei que fosse morrer. Eu gritei, descontrolei e me calei. Eu saí bastante, e bebi mais do que o meu fígado poderia suportar. Durante esse tempo sem você, eu não me esqueci o quanto a nossa relação era gostosa e o quanto você é maravilhoso. Eu não apaguei da minha memória as nossas madrugadas e loucuras. Durante esse tempo sem você, eu quebrei o porta retrato da saudade que ganhei de você, e até hoje junto os pedaços que ficaram no chão. Durante esse tempo sem você, eu cheirei o frasco de perfume que você esqueceu na minha casa. Ainda uso as roupas que me deu e faço carinho no ursinho que chamávamos de filho.

Ainda sem você, eu não deixei de te querer comigo. E nem se quer por um instante, não pensei em desistir de nós. Ainda sem você, você não deixou de ser essencial e eu não abri mão da colônia que tanto falávamos. Ainda sem você, você não ficou sem mim.


Ainda sem você, não existe eu sem você.

Eu só quero que saiba, que quando eu me imagino sendo feliz é com você.

Você é o amor da minha vida.

Eu te amo!


Só isso, ou tudo isso.

___

Originalmente Publicado em Jéssica Pellegrini


Curando os 7 chakras com ervas e plantas

Artigo Anterior

Faça de conta até que aconteça

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.