EU NÃO ME ENJOO, APENAS OLHO, PENSO E ME AFASTO, SE NECESSÁRIO



À força de termos que lidar com situações complicadas, aprendemos a tomar distância emocional, gerir o nosso desconforto e pensar antes de agir. Como em tudo, é necessário tempo e experiência para aprender isso. Muita experiência.

Assim, poderíamos dizer que a distância emocional é um código não escrito que nos permite ver e sentir coisas de forma diferente, porque damos tempo para que emoções como raiva pecam a força e possam dar lugar a sentimentos, que nos permitem compreender com mais clareza o que realmente pensamos e como queremos ser.

Ou seja, fazer isso nos ajuda a gerir melhor nossas emoções e, assim, alcançarmos uma maior coerência entre os nossos pontos de vista e nossas ações sobre um determinado assunto, como por exemplo as atitudes de uma pessoa.

De que precisamos tomar distância emocional?

Como podemos tomar distância emocional? Esta resposta não tem uma receita mágica, depende de muitos fatores pessoais e circunstanciais, assim como de relacionamento.

Há pessoas que carregamos dentro de nós com muita intensidade, e distanciar-nos das emoções que temos ao estar com elas é, sem dúvida, uma das tarefas mais difíceis que temos a fazer quando organizamos o quebra-cabeça que nos permite compreender o que nos acontece.

No entanto, embora não tenhamos a receita que leva à tomada de distância emocional da forma ideal, sim, podemos destacar a maioria dos ingredientes que precisamos para fugir emocionalmente do que nos confunde.

“Como mencionado, é essencial nos darmos tempo para conseguirmos moldar nossas emoções. Tomemos como exemplo para ilustrar esta questão, as três cores de um semáforo: vermelho, amarelo e verde.”

Ante uma afronta provavelmente fica amarelo e depois vai para o vermelho. Isto é, quando, por exemplo, somos invadidos por raiva, tristeza, alegria ou qualquer outra emoção, nossa luz fica vermelha e, portanto, não temos de tomar decisões.

“Com o semáforo vermelho, devemos frear nossa reação emocional e tomarmos tempo para alcançarmos e mantermos o controle sobre o que pensamos, sentimos ou fazemos.”

Observe, olhe e se afaste, se necessário, mas não tome decisões permanentes sobre emoções temporárias, mesmo que tenha vontade de sumir e deixar a outra pessoa para sempre. Dê-se tempo para acalmar suas emoções, dê um passeio ou espere alguns dias antes de falar ou ver uma pessoa que te irritou ou entristeceu.



Conforme o tempo passa, certas coisas deixam de ter importância e alguns detalhes que antes nos afligiam são aceitados como próprias circunstâncias.

Digamos que graças ao tempo nos afastamos e paramos de nos envolver com a intensidade emocional que gera decepções, expectativas, traições, etc. Não ser controlado por suas emoções é possível e, como qualquer outra habilidade, se aprende com a prática.


A bússola interna, um grande benefício de implementar distância emocional

Uma vez que colocamos distância emocional no que aconteceu, podemos ouvir essa bússola interna que gera sentimentos sobre o que é certo e o que é errado. Estas percepções são frequentemente bem sucedidas, porque são baseadas em nossos sentimentos, muito mais duráveis do que nossas emoções.

Assim, as decisões que tomamos sobre os outros e o que nos aconteceu nós serão muito mais sábias ou mais consistentes com o que pensamos e sentimos. Saberemos o que merece a nossa atenção e o que devemos ignorar, incentivando-nos a sentir-nos melhor e não sofrermos muito com o que não podemos controlar.

Em suma, é muito importante que ante situações complicadas ou muito intensas tomemos distância emocional, assim faremos com que os aspectos passageiros de nossas emoções não nos atrapalhem e não nos arrependeremos de agir de certa forma.

 

___

Traduzido pela equipe de O Segredo

Fonte: La Mente es Maravillosa






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.