ColunistasRelacionamentos

Eu quero viver um amor de cinema…

Puxa vida! Diga-me, você quantas vezes assistiu àquele filme (babando) e deu um grito quando o casal apaixonado beija-se debaixo da chuva num reencontro marcante e arrebatador? Quantas?



Quantas vezes seu cotovelo doeu no último nível quando assistiu o mocinho declarando-se para a mocinha e buscando-a para si, no último minuto?

Um ardente beijo no elevador? A corrida contra o tempo para impedir seu amor de partir num aeroporto? O tapa de ódio que em seguida é marcado por beijos e declarações de amor?

O reencontro após vinte anos, quando você pensava que não encontraria mais o amor? O primeiro olhar pelo vidro do Café?


Muitos são os momentos, muitas foram as cenas, muitos os amores que, por uma vida, assistimos todos os dias no cinema e na Tv. Amores que nos tiram o sono que, mesmo cheio de desencontros e tramas, a chama intensa e fulminante do amor resolve sempre tudo no final, tirando-nos lágrimas nos olhos, muitas vezes, pelo desejo gigante de viver um amor exatamente assim…

Não sei se você concorda, mas, tem hora, que a vida é real é mesmo muito da chata. Pode até existir algo diferente no começo de uma relação e depois, infelizmente, tudo vira rotina e torna-se tão longo e demorado, do jeitinho que não gostaríamos.

Como criar aquele amor de cinema? Como fazer com que meu amor atual seja tão entusiasmante e incrível como o do cinema?

Termino de assistir àquele filme brilhante, onde frases lindas são repetidas e repetidas entre o casal de protagonistas e eu choro olhando para o homem dormindo ao meu lado na cama. Fico fantasiando que esse meu amor de todo dia pudesse ser aquele que está além das telas, que ultrapassa meu respirar e me tira a razão!


Aí o dia começa, café para os filhos, levo todos à escola, marido sai para trabalhar, volta à noite para jantar, depois vamos ao supermercado (tá faltando leite!) e mal sabemos o que é nos olhar com ardor, amar com loucura ou vivenciar um drama do tipo “não me deixe, não sei viver sem você!” Não acontece nada disso. O silêncio tornou-se nossa rotina. E enquanto isso, continuo sonhando com os amores de cinema…

Foi uma amiga minha que comentou realmente algo assim, de que ela ainda gostaria de viver um amor de cinema, mesmo que ainda esteja em um relacionamento estável.

“Eu poderia ser beijada no meio da rua e ouvir juras de um amor eterno debaixo da chuva…”

Sinceramente, acho que mesmo que você venha me dizer que adora seu relacionamento morno, dentro dos padrões e todo normalzinho, acredito que já tenha assistido a um filme e implorado silenciosamente que fosse você a mocinha apaixonada que, magoada, vai embora e logo lá vem aquele homem másculo e febril tomá-la nos braços desejando que o ame…!


Eu ainda quero viver um amor de cinema. Mesmo que eu já tenha vivido amores rompantes, intensos, hoje, no “normal” do meu dia a dia, ter o coração disparado e apaixonado vivendo emoções inimagináveis, ainda pode ser um de meus desejos quando eu jogar aquela moeda na fonte…

__________

Direitos autorais da imagem de capa: oneinchpunch / 123RF Imagens


É permitido chorar!

Artigo Anterior

Sua vida é o que importa. Ela é o seu altar sagrado. Deus o abençoe sempre!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.