Eu também quero alguém sincero ao meu lado

Porque só nos ama, só vai ficar até o fim, aquele que, depois da nossa utilidade, descobrir o nosso significado. Se assim não for, não permanece.

Amor é quando continuamos interessantes mesmo quando deixamos de ser novidade. Então, olhamos para trás e nos damos conta de que poucas ou nenhuma vez, de verdade, foi amor. Porque amor de verdade ainda é raro. Por isso eu batalho em dizer que precisamos nos amar e não esperar que o amor venha a partir da relação que temos com o outro.

Falar sobre o amor é mesmo um dos meus assuntos prediletos. Também o é não só pensar sobre o amor como também viver o amor. Em todas as suas faces, em todas as suas manifestações, nos dias bons e nos dias maus, quando é refresco para o coração.

Quando nos apaixonamos, verdade seja dita, é uma das sensações mais gostosas e que nos tira o fôlego de uma maneira que a gente supõe que tenha alcançado o podium da vida. Melhor do que qualquer fatia de bolo recheado, melhor que aquela viagem dos sonhos, melhor que ganhar na loteria (sim, por mais que digamos por aí que é melhor ou nos basta ter dinheiro do que o resto todo).

Só quem ama ou amou sabe dessa sensação que a paixão nos dá. E fica na memória pra sempre, mesmo que acabe (porque sempre termina) ou evolua para o amor.

O amor é como uma viagem no modo cruzeiro. Entretanto, um amor que tenha vindo de uma paixão, guarda em si uma chama e um calor que nunca se apaga. Admiro quando encontro casais assim!

Mas como ter a certeza de que o outro nos ama? Um dia toda a beleza envelhece, ganhamos rugas onde nem imaginávamos que poderíamos ter. Um dia, o dinheiro acaba e as piadas passam a ser repetitivas e perdem a graça. O que sobra então? O que resta é a essência que nos une. Chame lá do nome que quiser chamar.

Não aceito que me digam que o amor que tinham por mim acabou-se. Amor não se acaba. Não era amor. Seja sincero e diga que achava que amava, mas, de fato, não amava. É melhor. Parece-me que a cada dia que passa as pessoas ficam mais medrosas. Medrosas de amar e medrosas em assumir que não amam. Gostam. Têm carinho. De repente, é apenas uma cena física. Mas, dizer que ama porque parece ser o final de todas as coisas, não é o que queremos.

Eu quero alguém sincero ao meu lado. Eu quero alguém verdadeiro e que se conheça e se assuma em relação ao que sente e ao que quer. E não quero alguém que se esconda nas feridas do passado para não se entregar a uma nova relação.

Porque só nos ama, só vai ficar até o fim, aquele que, depois da nossa utilidade, descobrir o nosso significado.

Quando estamos no calor da paixão ou somos ainda muito jovens ou ainda agradamos aos olhos do outro, é fácil que o outro faça juras de amor eterno e desenhe conosco um futuro brilhante e perfeito. Igual à novela da televisão. Entretanto, todas essas primeiras impressões ou acabam ou se transformam. Não somos jovens eternamente. Nossa beleza sofre transformações ao longo do tempo e a paixão termina. Depois disso, ainda fica a nossa utilidade. Mas também deixaremos de ser úteis. Alguns mais rápido do que outros dependendo de que utilidade estivermos falando.

E então? Sobra-nos o nosso significado. E isso só pode ser descoberto ou construído pelo outro ou na companhia de ambos. Mas sempre de dentro pra fora. Não podemos impor significado a ninguém. Eu quero ter significado. Também preciso eu dar significado ao outro em minha vida. É uma via de mão dupla. E só funciona se os dois trabalharem nisso. Do contrário, é natural que se vá.

É o significado que nos dá a razão das coisas e das pessoas estarem ou não em nossa vida. Se não há uma razão para ficar, então há uma boa razão para ir. Se não há amor, melhor não insistir.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: teksomolika / 123RF Imagens



Deixe seu comentário