publicidade

“eu te amo!” explique-me essa exclamação!

O amor é amar! Ponto final. Não há o que ser explicado.

Descobriu-se a cor mais escura que existe, Vantablack. Na realidade essa tonalidade, se é que posso chamar assim, é a ausência total de cor. Fala-se que é o mesmo que olhar em um buraco negro.



Engraçado como a ausência de cor, ainda é cor!

Talvez não saibamos denominar corretamente a completa falta de tonalidade, do mesmo modo que teimamos chamar o amor de sentimento.

Seria o amor algo tão sublime e profundo que o Universo, em sua divina criatividade, criou os buracos negros como metáforas para que o nosso entender a respeito desse “afeto” fosse mais fácil de ser compreendido?


Buracos Negros infinitamente poderosos que nem mesmo a luz escapa, fazem-me refletir com indagações difíceis de serem respondidas.

Por exemplo, como algo abstrato pode ser capturado?

Se bem que o ar pode. Mas a luz e o tempo são variantes impossíveis de serem captadas, a não ser pelos buracos negros.


O amor é emoção! Um sentimento de afeição.

Definições populares como as citadas acima o rotulam num leque de variadas sensações como aqueles catálogos de pantone, onde podemos escolher o degradê de cada cor.

Imagine se amar fosse como os códigos de pantone. Hoje amarei mais para o azul, porque assim como o céu, eu me sinto pronta para “voar” por onde o amor me levar.

Como tudo seria mais fácil, não!?

Metáforas, metáforas e mais metáforas transformam um artigo sobre amor numa parafernália repleta de figuras de linguagens com uma infinidade de comparações.

O amor é amar! Ponto final. Não há o que ser explicado. Mas, se amor, como disse no início do texto, não é sentimento, então não pode ser sentido?!

Dúvidas, perguntas que se acumulam ao meu pensar fazem com que não chegue a nenhuma conclusão plausível.

Eu te amo! Explique-me essa exclamação?

Gosto muito de você!

Não!

Resposta errada!

Eu gosto de rabanadas besuntadas de canela. Isso é gostar.

Amar é ser uma ilha rodeada de água!  É perceber que para ser uma ilha você precisa estar rodeada de água, então a água, metaforicamente, seria o amor?

Sim!

Amar é estar imerso (a) nessa “realidade” paradisíaca!  Vou mais longe, desculpem-me, mas quando reflito demais, sou como a maré cheia, transbordo palavras.

Então, voltando ao xis da questão: se eu te amo, estou “imersa” em você.

Ficou estranho!

Mas acredito que amar é “submergir” nas profundezas do outro.  Estar apto (a) a “navegar” em “alto mar”, faça sol ou tempestades.

É não temer as “ondas” gigantes que possam surgir.

É ter coragem de “mergulhar” sem medo de se afogar.

Amar é possuir uma coleção de metáforas, sabendo que cada uma delas apresenta ao mundo uma versão melhor de você mesmo.

____________

Direitos autorais da imagem de capa: teksomolika / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.