Pessoas inspiradoras

Ex-morador de rua transforma casa de festas em albergue para acolher população sem teto

Dagoberto e sua esposa trabalham ajudando quem mais precisa, e fazem questão de mostrar à comunidade, religiosa ou não, que o que importa mesmo é o amor ao próximo.



Quando as pessoas passam necessidades, ficam sem emprego ou nenhuma fonte de renda viável, viver nas ruas pode ser sua única alternativa. É importante perceber que ninguém gosta de estar nessa situação, mas as necessidades obrigam as pessoas a passar por momentos de extrema solidão, pobreza e fome.

Se você já passou por uma situação extrema, sabe bem qual é a sensação de precisar de ajuda e não ter ninguém para lhe estender a mão. Algumas pessoas precisam apenas de um pequeno apoio para melhorar, uma oportunidade de emprego, acompanhamento psicológico, são várias as alternativas e formas de auxiliar quem precisa.

Pensando justamente nisso, o pastor Dagoberto Mariano decidiu abrir um albergue para a população em situação de rua, extremamente vulnerável com a chegada do inverno.


Ele atua em Votuporanga, interior de São Paulo, junto com a esposa, a também pastora Karina. A iniciativa não recebe apoio financeiro institucional, é o casal que administra por conta própria o local, uma antiga casa de festas da cidade.

Dagoberto sente que realmente precisa tocar esse projeto, já que também morou nas ruas no passado, mas que conseguiu se reerguer batalhando e recebendo muito apoio, desejando retribuir aos outros tudo o que ganhou. O casal já tinha um projeto de distribuir sopão nas ruas, mas acabou percebendo a necessidade dos sem-teto de um local fechado e quente, onde pudessem tomar banho e dormir.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Dagoberto Mariano.

O pastor explica, segundo reportagem do jornal A Cidade, que não é um abrigo permanente, os interessados vão poder chegar às 19h30, receber uma janta, um banho e depois dormir. Às 7h30 do dia seguinte, recebem um café da manhã e precisam sair, já que o espaço precisa ser liberado para higienização, pensando nos próximos que virão na noite seguinte.


Eles pensaram em tudo e até colocaram monitores voluntários, que trabalham durante a madrugada, apenas para garantir que todos os protocolos de higiene e medidas sanitárias sejam seguidos. É obrigatório usar máscara no local, todos devem manter o distanciamento social e ainda há álcool em gel à disposição de todos os que estiverem ali.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Dagoberto Mariano.

Dagoberto conta que o local tem capacidade para abrigar cerca de 20 pessoas, já levando em conta o distanciamento social que precisam manter, e que os quartos são separados em masculino e feminino. O aluguel do local é caro, mas o pastor acredita que a missão que tem a cumprir aqui não encontra dificuldades, nem mesmo no valor financeiro exigido.

Além do trabalho voluntário e espiritual, Dagoberto e Karina ainda atuam como terapeutas holísticos e técnicos em enfermagem, administrando uma clínica que ajuda na recuperação de pessoas com dependência química. O objetivo deles é encaminhar quem tiver interesse do albergue para a clínica, para receber tratamento.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Dagoberto Mariano.

Eles não pedem nenhuma ajuda financeira e vão arcar com todos os custos que o albergue gerar, mas afirmam que estão abertos a doações de quem quiser colaborar com roupas, alimentos ou até mesmo dinheiro. As pessoas vulneráveis merecem!

Menino de 10 anos usou todas as suas economias para dar bicicleta a frentista que ia trabalhar a pé

Artigo Anterior

Cãozinho idoso, cego e sem uma pata consegue ser adotado após 10 anos em abrigo

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.