Comportamento

Ex-traficante se torna advogado e agradece a juiz que lhe deu oportunidade: “Acreditou em mim”

Edward havia abandonado os estudos e já tinha uma extensa ficha criminal, quando conheceu o juiz Bruce, aos 27 anos, e precisou se declarar culpado de produzir e comercializar crack.



Não são todas as pessoas que conseguem uma segunda chance, algumas já são excluídas e canceladas logo após a primeira falha, sem chance de se redimir ou pedir perdão. Mas existem algumas personalidades em nossa sociedade capazes de fazer isso mudar, indivíduos proeminentes e respeitados, que ocupam cargos de destaque e podem garantir que os jovens tenham uma realidade melhor.

O juiz Bruce Morrow é uma dessas pessoas. Em 2005, Edward Martel, com apenas 27 anos, declarou-se culpado de produzir e comercializar crack, e já estava preparado para o pior. Segundo reportagem da CNN, ele esperava no mínimo uma detenção de 20 anos, mas ficou surpreso quando saiu do tribunal do condado de Wayne com uma sentença de liberdade condicional de três anos.

Durante o julgamento, o adorável juiz encarou Edward e disse que ele não precisava estar ali, vendendo drogas, que ele conseguia enxergar grandeza no jovem.


Bruce desafiou o réu a se tornar CEO de uma grande empresa e deixou as portas abertas para que ele voltasse sempre que precisasse. A principal intenção do magistrado era acompanhar o jovem, dando-lhe uma oportunidade, algo que todos merecem.

A partir desse dia, Edward começou a visitar assiduamente o tribunal de Bruce, sempre se sentando aos fundos, acompanhando cada passo e decisão que ele tomava. Os dois passaram a almoçar juntos e gastavam horas em conversas profundas sobre a vida de cada um. Edward era filho de mãe solteira e desde muito novo precisou aprender a se virar, contando com ajudas governamentais para sobreviver.

Direitos autorais: reprodução/Perkins Law.


A primeira vez que passou pela polícia tinha apenas 13 anos, e dois anos depois, quando condenado por outro crime, ele desistiu dos estudos e saiu de casa. O tráfico de drogas se tornou uma constante em sua vida, até o momento em que conheceu o juiz Bruce Morrow. Ele conta que já esteve diante de, pelo menos, 20 juízes, mas apenas um o olhou com humanidade daquela forma.

Foram 16 anos observando a evolução de Edward, que retomou os estudos. Ele começou em uma escola comunitária, ganhou uma bolsa para outra instituição e se formou como primeiro da classe no ensino médio. Foi aceito na faculdade de Direito, também com bolsa integral, mas precisou provar que era moralmente adequado para trabalhar como advogado.

Direitos autorais: reprodução/Perkins Law.


O juiz foi testemunha do caráter e aptidão de Edward, e achou aquela sabatina problemática, já que ele precisava provar que era ética e moralmente capaz de exercer a profissão, mas sem que ninguém soubesse o que ele havia passado até chegar ali. Edward chorou muito quando recebeu o resultado positivo de sua avaliação, sabendo que tudo mudaria em sua vida.

Depois de se graduar, ele passou no exame de ordem dos advogados em sua segunda tentativa, aos 43 anos, e se preparou para se tornar oficialmente um profissional da área, fazendo o juramento de que vai trabalhar da melhor maneira possível, sempre prezando pela ética, bondade, lealdade e pelo certo.

Direitos autorais: reprodução/Perkins Law.


Ele foi até o tribunal de Bruce para fazer o juramento, acompanhado de sua mãe, irmãos e filhos, sem conseguir conter a emoção que tomava conta de todo o seu corpo. O juiz achou o momento extremamente emocionante, disse que enxerga Edward como um filho e que aquele foi um dos momentos mais felizes de sua vida, tanto profissional quanto pessoal.

O encontro dos dois serviu para reforçar ao juiz Bruce nunca julgar um indivíduo sem antes tentar conhecê-lo verdadeiramente, já que nunca se sabe como agir num momento de desespero, até que realmente se precise fazer algo. Para ele, é o amor que muda as pessoas e que essa é a principal lição que todos devem tirar dessa história.

Edward aprendeu o valor da mudança, não apenas aquela que age em benefício próprio, mas aquela capaz de mudar a vida de toda uma comunidade ou mesmo de uma geração inteira. Seu sonho é fazer parte da engrenagem que vai mudar o sistema, seu objetivo não é melhorar a própria vida, mas a vida de todos os que vierem depois.


L’Oréal Paris anuncia brasileira com síndrome de Down como nova embaixadora da marca!

Artigo Anterior

Filha de pescador e dona de casa, ela usou o crochê para mudar de vida e hoje exporta peças para a Europa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.