EXIBICIONISMO EXAGERADO NAS REDES SOCIAIS E SEUS EFEITOS NEGATIVOS:

Num mundo onde despertar a admiração alheia parece uma obrigação.

De modo geral, as pessoas gostam de se exibir, gostam de serem notadas, prestigiadas e admiradas o tempo todo, é algo da natureza humana. E há quem diga que a internet é um prato cheio para os “exibidos de plantão”. Por isso, se ao final desta leitura você começar a pensar duas vezes antes de postar qualquer coisa nas redes sociais o objetivo deste texto estará cumprido.

Bem, vamos começar falando sobre uma coisa básica no meio das relações humanas: ninguém gosta daqueles indivíduos que adoram aparecer o tempo todo e até mesmo aparentar ser o que não é, isso acontece diariamente e principalmente através da internet — um meio muito mais fácil para se enganar as pessoas, claro.

Pessoas desse tipo nos cansam, tornam-se muito chatas, fogem da naturalidade, justamente pelo fato da internet proporcionar essa oportunidade de se exibir o tempo todo e em qualquer lugar — coisa que antes dela existir era impossível acontecer. Portanto, se você envia muitas coisas para suas redes sociais é bom começar a se controlar um pouco para não se tornar o chato da vez.

Também podemos considerar que um dos maiores efeitos causados pelo exibicionismo é a inveja, que cá entre nós, nunca foi legal pra ninguém desse mundo. Claro que nunca estaremos totalmente protegidos de coisas como essa, mas há de se evitar quando possível. Isso pode ser causado pela grande acessividade que o mundo digital nos proporciona, onde não sabemos mais exatamente o que compartilhar e com quem. Por isso, calar-se é sempre uma boa opção para não ser alvo de macumba alheia.

Pesquisadores da Universidade Humboldt, em Berlim, entrevistaram 357 universitários e descobriram que o principal sentimento despertado pela vida virtual é a inveja. Quase 30% relataram nutrir esse sentimento ao ver, no Facebook, posts sobre atividades de lazer dos amigos e indícios de sucesso de qualquer espécie (acadêmico, profissional, sexual). Mesmo os exibidos sentem inveja. Cerca de 20% afirmaram chatear-se por sentir que sua própria ostentação não é notada suficientemente pelos amigos. epocaglobo.com, 2014.

Mas o ponto que podemos considerar mais importante em relação ao tema é a perda de valor que isso causa nas pessoas, não apenas pelo excesso de exibição mas também pela forma com que se dá. Podemos considerar que algumas das coisas mais importantes em uma pessoa são a sua preciosidade, que são as características que apenas ela tem e a vida que só ela leva, como também, os seus valores, que é a forma de pensar e enxergar o mundo que ela tem, tudo isso de forma coerente. Levando-se em consideração esses aspectos, se você sair por aí “cuspindo” tudo sobre sua vida, tudo o que pensa e ostentando coisas fúteis nas redes sociais, onde guardará a sua privacidade, a sua preciosidade e os teus valores?

A sua vida poderá se tornar totalmente desinteressante e até mesmo desprezível por ser como um livro popular gratuito jogado num canto, de capa mal feita, conteúdo pobre, nada exclusivo e consequentemente jamais lido. E aqui entra novamente a questão da acessibilidade digital e de saber o que e com quem compartilhar os momentos, pensamentos e desejos.

É preciso que as pessoas vivam a vida com mais intensidade e deixem o mundo virtual um pouco de lado. Viver mais e mostrar menos. Ser mais e parecer menos. Tirar mais fotos para guardar de lembrança e menos fotos para postar na internet. O mundo precisa de mais gestos e abraços e menos “likes”.



Deixe seu comentário