3min. de leitura

Existe uma virtude que todos nós devemos tentar seguir e partilhar a todo instante: empatia

As pessoas fingem que se gostam, fingem que se respeitam, fingem que se importam. E, nessa hipocrisia sentimental, às vezes, passam do ponto.


Eu vejo qualquer relação no mundo atual, independentemente do histórico, e fico constrangido e, muitas vezes, indignado. As pessoas fingem que se gostam, fingem que se respeitam, fingem que se importam. E, nessa hipocrisia sentimental, às vezes, passam do ponto.

Cada um tem a sua maneira, o próprio jeitinho de desabafar ou extravasar os pensamentos e os sentimentos. Eu, obviamente, prefiro fazer isso escrevendo, porque é escrevendo que consigo questionar mais as coisas e também os discursos alheios.

Sim, é importante a gente praticar questionamentos, mas, antes de mais nada, precisamos saber também que, para tudo, há hora e forma de dizer.


Deveríamos, essencialmente, rever a confusão que fazemos entre ser sinceridade e ser honestidade. Já falei sobre isso outras vezes. Ser sinceridade não é trabalho – você diz o que pensa e ainda usa muletas emocionais para validar o que diz para quem quer que seja.

Mas ser honestidade é para poucos, sinto muito. Quando se trata de honestidade, o interesse é do comportamento de quem a pratica. Tem que haver equilíbrio, tem que ser de coração e, sabendo disso, fazer uma autocrítica.


Empatia

Escrever é um amor que tenho, um caminho que escolhi e um somar com que me preocupo diariamente em honrar. Eu sei que a minha preocupação não é a mesma que a sua, nem tem a obrigação de ser, todavia, existe uma virtude que todos nós devemos tentar seguir e partilhar a todo instante: empatia. Tanto a coletiva quanto a individual.

Pensar antes dizer é mais amor do que dizer “na lata”. Pensar antes de afirmar é mais amor do que “dar a sua opinião”. Pensar antes de escolher/manter quem o acompanha é mais amor do que ter “um milhão de amigos”. O exercício de pensar é mais amor do que nutrir esse instinto de querer adivinhar a vida dos outros.

Por último, não escrevi este texto para comunicar mensagens subliminares nem para maldizer alguém, ele é para mim. O seu único propósito é me lembrar num futuro próximo que não posso me perder, em lágrimas e caos, naquilo que é mais lindo e honesto na minha pessoa e de que tenho orgulho de estar plantando há tempos: humildade e sinceridade com os meus sentimentos e pensamentos.

É minha responsabilidade cumprir essa promessa antes de mergulhar em qualquer vida por aí.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Pexels.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.