ColunistasComportamento

Existem muitos opressores disfarçados de pessoas espiritualizadas…

opressores

Uma pessoa realmente feliz com a sua doutrina religiosa não inferniza a vida de ninguém! – Existem muitos opressores disfarçados de pessoas espiritualizadas.



Tenho notado algumas pessoas com atitudes insuportáveis, carregadas de ódio e preconceito escondendo-se atrás de um suposto “evangelho” para disseminar tudo aquilo que deveria ser banido do universo.

São pessoas que acreditam que podem enganar a todos, esquecendo-se que isso é impossível.

Como convencer de  que  prega sobre o amor, se vive com o dedo apontado a todos? Que amor é esse que não respeita as diferenças? Que espécie de espiritualidade é essa que só aceita aqueles que pensam como a si próprios? Querem enganar a quem?


É inútil a pessoa pregar em nome de Jesus, se faz tudo aquilo que o Mestre abominava. Não adianta falar de amor, se a pessoa só causa divisão e leva discórdia por onde passa.

São muitas pessoas que se auto intitulam de espiritualizadas, porém, são incapazes de perdoar e estão sempre se colocando como superiores às demais. Comportam-se assim  pelo simples fato de vestirem a melhor roupa aos domingos, colocarem uma bíblia embaixo do braço e frequentarem uma igreja.

Entretanto, são pessoas que não  atraem ninguém para a sua companhia, tampouco para caminharem com elas. Ao contrário, essas pessoas são tão opressoras que causam repulsa às demais.  Por que? Ora, são sempre chatas, julgadoras, preconceituosas, fofoqueiras e “arrotam” uma santidade que não convence a ninguém.

Fica a impressão de que são pessoas muito mal resolvidas com a própria espiritualidade ou religião. Tudo indica que seguem uma doutrina por medos oriundos de um outros religiosos  opressores, diante disso, vivem incomodadas com o estilo de viver das outras pessoas.


As frustrações dessas  pessoas opressoras saltam aos olhos por onde passam. É como se vivessem aprisionadas numa crença que, na realidade, não as convence, porém não são autênticas o suficiente para romperem esse invólucro. E por que interferem tanto na vida das pessoas?

Bem, acredito que por sentirem-se tão frustradas e infelizes, sentem-se afrontadas com o estilo de viver das outras pessoas que são livres ou que vivem uma espiritualidade madura, então, a intenção é forçar uma “evangelização” para arrebanhar mais infelizes e assim sentirem-se acompanhadas e acolhidas.

Deixo claro que não estou generalizando. Existem, sim, aquelas pessoas que são, de fato, espiritualizadas e estão maravilhadas com as suas doutrinas e experiências espirituais, tão maravilhadas ao ponto de desejarem que o mundo inteiro conheça e experimente também. Esse time de pessoas nos atraem e nos seduzem nos primeiro 5 minutos de conversa. São amáveis, transpiram  amor, tolerância e respeito. Possuem uma essência leve e serena, são encantadoras.

Elas enxergam as pessoas que falham como seres humanos passíveis de cometerem erros e não como seres condenados ao inferno, pelo simples fato de não estarem na  mesma sintonia delas.


Sei de uma coisa: é pura perda de tempo uma pessoa tentar atrair outra para viver a sua crença, se ele não estiver fundamentado no amor e no respeito, esses dois quesitos são indispensáveis em se tratando de religião, especialmente as religiões cristãs cuja figura central é Cristo, aquele que é o próprio amor personificado.

E, cá pra nós, uma pessoa realmente feliz com a sua doutrina religiosa não inferniza a vida de ninguém. Concordam?

______________

 


Direitos autorais da imagem de capa: highwaystarz / 123RF Imagens

Ninguém pode ser autêntico se não está em contato com sua própria caverna, com o seu íntimo.

Artigo Anterior

Nós somos o que não vemos… Somos a soma dos dias que nos pegam de surpresa…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.