ColunistasComportamento

Existem pessoas que olham para as outras e não as enxergam

Ver o que está por fora não é conseguir enxergar direito uma pessoa em vários outros aspectos.



Uma roupa não define ninguém, uma marca não mostra quem a pessoa realmente é. A maquiagem, o sorriso social escondem, disfarçam o que realmente a pessoa está sentindo, mas não revelam nada.

Existe um apelo social para que todos escondam o que realmente sentem. Na sociedade de produção, mecanicista, todos prezam a função, a produção. Ninguém está interessado em saber o que você realmente sente, quem você é. Todos nós somos adestrados a responder a qualquer pergunta, com a resposta: está tudo bem! (mesmo que não esteja)

O que a sociedade preza e se interessa é o quanto você consegue produzir, fazer.


E vamos vivendo também em todas as relações dessa forma, distantes, olhando para o outro, estando frente a frente com ele e não conseguindo enxergá-lo, não sabendo quem ele é, não conseguindo perceber seu real valor, não enxergando o significado real das pessoas em nossa vida. Ficamos distantes, com todas as barreiras que nos ensinam a colocar muralhas.

Não nos mostramos o suficiente para ninguém, ensinaram-nos que o melhor é ser superficial. E também não nos interessamos por permitir que os outros se mostrem, tudo isso é visto com muito medo, como se isso fosse errado, feio, ruim.

Vivemos ao contrário da nossa humanidade. Tudo que é humano em nós ensinam-nos que não é bom revelar, mostrar. Que a nossa verdadeira essência precisa ficar sufocada a qualquer custo, e o que importa é somente a aparência. Com isso, abafamos tudo que é essencial e o que é mais profundo e verdadeiro em nós.

Ensinaram-nos a sermos robôs. Somos humanos! Não somos robôs.


É claro que mantermos essa postura ao longo dos meses, anos, por toda vida, traz adoecimento, sofrimento, tristezas, angústias. Por isso, temos um aglomerado de pessoas em um sistema social totalmente adoecido, com patologias que crescem, doenças psicossomáticas que aumentam, doenças autoimunes etc.

As pessoas precisam cada vez mais de remédios para dormir, para acordar, para produzir mais e mais… As pessoas precisam de muitas farmácias.

E a vida? Ninguém consegue viver. Ninguém consegue ser feliz, ninguém consegue “Ser” de verdade!

Criamos um mundo doente, e agora ele está nos engolindo.


É preciso acreditar que algo muito especial e único existe dentro de você. É importante conseguir olhar de verdade para dentro. É importante desacreditar de tantas fórmulas falsas sobre viver, sobre ser perfeito, produtivo, incansável, sobre-humano. É importante ouvir suas emoções, seus sentimentos, é importante escutar-se.

É importante querer ver o outro como realmente é, sem nenhuma falsa imagem, sem os disfarces sociais. Conseguir lidar com todos os nossos aspectos e dos outros.

Entender de gente, da espécie humana mais do que entender de máquinas, sistemas… Suavizar, encontrar-se de verdade com você, observar suas reais necessidades para não adoecer.

Ter um olhar mais atento para a vida que importa, para o que realmente faz sentido, para o que realmente traz alguma alegria ao coração, a alma…


Acreditar que por aqui tudo é ilusão. Nada compra a paz, a felicidade, o amor, o afeto, a vida.

E que esses são os reais artigos de luxo.

Vamos viver de verdade e não apenas sobreviver.


Para uma mãe cheia de amor no coração, tudo em um filho tem valor especial

Artigo Anterior

Que saudade de não ter pressa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.