publicidade

Fala, bebê!

As primeiras palavras de uma criança são sempre esperadas com muita expectativa.



Mas existe hora certa para ela começar a se comunicar?

E se ela não demonstrar nem sinais, tem como ajudar?

O primeiro choro, a primeira risada, os primeiros passos e finalmente a tão esperada primeira palavra dita pela criança – mesmo que seja apenas um balbucio de “mama” ou “papa” são aguardadas com ansiedade pela família.


A expectativa gerada em torno da primeira fala do bebê é muito grande, mas cada um tem o seu ritmo de desenvolvimento.

O importante é estar atento a alguns sinais, para detectar se existe, de fato, um atraso de Linguagem, que prejudicará posteriormente a fala.

Assim que o bebê nasce é realizado ainda na maternidade uma série de testes  e dentre eles o teste da Linguinha que verifica o seu desenvolvimento orofacial (verifica-se o frênulo lingual, a mobilidade da língua, dentre outros aspectos).

é preciso realizar o Teste da Orelhinha (Otoemissões Acústicas). Este teste irá configurar se existe ou não alguma alteração auditiva que poderá atrasar ou ‘modificar’ a linguagem em processo de aprendizado do bebê.



 QUANDO COMEÇA A FALAR?

Algumas crianças emitem os sons da fala a partir dos seis meses, mas os pais não precisam entrar em pânico caso o seu filho não fale antes de um ano.

Afinal, vale lembrar que o processo de aquisição da fala e linguagem ocorre de forma individualizada e está correlacionada à maneira  como a criança é estimulada pelos pais e pelo ambiente em que se encontra integrada.

Também se deve ficar atento, pois, algumas crianças começam a falar antes de completar um ano, enquanto outras demoram até aos três anos para iniciar a falar. Nestes casos e em outros específicos em que há, nitidamente, uma dificuldade de falar da criança, precisa-se procurar um fonoaudiólogo competente para que sejam realizadas avaliações específicas e complementares para detecção da alteração.


 O QUE OS PAIS PODEM FAZER PELOS SEUS FILHOS?

Estímulos positivos sempre são muito bem vindos!

Cantar para o bebê, colocar músicas para ele ouvir, ler com seu filho livros interativos nos quais ele possa identificar objetos que são ditos por quem conta a história, dentre outros exemplos.

Vale ressaltar que os pais falem de forma normal com o bebê, evitando a fala infantilizada e o uso recorrente de diminutivos. Essa forma de falar como um bebê com os filhos torna o processo de desenvolvimento da fala/linguagem mais difícil para a criança, no que se refere ao entendimento de que os objetos têm um nome específico.

Evite os gestos.

Quando a criança quer alguma coisa e apenas aponta para o objeto desejado, o ideal é que os pais não atendam ao pedido, mas sim, perguntem a ela se é aquele objeto que ela pede, e aguarde a resposta. O importante é dizer à criança que é preciso pronunciar o que se quer, caso contrário ela irá se  acostumar a pedir tudo com gestos e entenderá que o uso da fala é dispensável quando se precisa de algo.


COMO EU DEVO CORRIGIR?

Chega uma fase, por volta dos quatro anos de idade, aproximadamente, em que a criança começa a apresentar trocas na fala ou omissões (sons da fala).

Nesse período, alguns pais têm a tendência de corrigir ou brigar com a criança, dizendo: “não é assim que se fala”.

Isso pode desenvolver uma insegurança na produção da fala, levando a outras alterações de linguagem, entre elas a Gagueira, que é muito comum.

Não é bom chamar a atenção da criança e a melhor maneira nesses casos ainda é responder à fala de forma correta, como por exemplo: “mamãe vamos andar de ‘CAUO’ hoje?” Forma correta de resposta ao questionamento do filho: “Sim, filho, nós vamos andar de CARRO hoje.”

É importante que a criança ouça a palavra produzida de forma correta, sem pressão ou correção.

Esse cuidado e paciência promoverá a conscientização do som da fala pelo seu filho, ajudando-o na aquisição da forma correta da fala, sua compreensão e sua escrita.

Abraços!

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.