Falar demais sobre um problema pode te afundar nele. Cuidado!

4min. de leitura

Não importa qual seja o problema nem que seja algo lindíssimo, se for um problema, precisa ser eliminado. Um problema é um problema.



Sabia que quando falamos ou pensamos sobre um problema estamos acessando as vias neurais daquele problema? Isso dificulta ficarmos neutros e acaba nos afundando ainda mais no problema, pois trazemos novamente todas as reações fisiológicas, emocionais… Ou seja, ficamos com raiva, com medo, com muita ansiedade…

Claro que, quando temos um problema, o que é mais saudável para nossa saúde é solucioná-lo o mais rapidamente possível. Também sei que isso é o ideal e que nem sempre acontece assim (talvez até, na maioria das vezes, não aconteça dessa forma).

Mas, quando ficamos repetindo, contando o problema, o nível de tensão, de cortisol (hormônio do stress) e toda a química ruim associada à nossa reação frente ao problema, fica corroendo nosso organismo e, como consequência, vêm as doenças psicossomáticas, como gastrite, pressão alta, enxaqueca, dermatite…


Qualquer que seja o problema, por mais que não nos tire da zona de conforto, ou que seja “bonito”, como no conto abaixo, temos de achar a solução para ele.

Li um conto que fala que, num certo dia, num mosteiro zen-budista, com a morte do guardião, foi preciso encontrar um substituto. O Mestre convocou então todos os discípulos para determinar quem seria o novo sentinela e falou, com muita tranquilidade:

Assumirá o posto o primeiro monge que resolver o problema que vou apresentar.

Então, ele colocou uma mesinha magnífica no centro da enorme sala em que estavam reunidos e, em cima dela, pôs um vaso de porcelana bastante raro, com uma rosa amarela de extraordinária beleza a enfeitá-lo, e disse apenas:


Aqui está o problema!

Todos ficaram olhando a cena, o vaso belíssimo, de valor inestimável, com a maravilhosa flor ao centro. O que representaria? O que fazer? Qual o enigma?

Nesse instante, um dos discípulos sacou a espada, olhou o Mestre, os companheiros, dirigiu-se ao centro da sala e … ZAPT… destruiu tudo, com um só golpe.

Tão logo o discípulo retornou ao seu lugar, o Mestre disse:

Você será o novo Guardião do Castelo, afinal não importa qual seja o problema nem que seja algo lindíssimo, se for um problema, precisa ser eliminado. Um problema é um problema.

Para termos mais foco e clareza nas tomadas de decisão, preparei um exercício no vídeo abaixo, que amo e que me ajuda muito na resolução dos meus problemas.

Aposto que vai amar e vai querer espalhar por aí!

Gostaria de deixar uma última dica: não se queixe dos problemas. A criatividade e inteligência emocional necessárias para encontrar a solução da situação que aflige você exigem que, primeiro, aceite que tem esse problema. Apenas a aceitação traz a “química boa” necessária para aproveitar oportunidades, para enxergar de forma diferente, para conseguir achar a solução mais viável para você.

A aceitação traz harmonia e foco para você partir para a ação certa e resolver tudo. Se você nega a situação, fica com raiva, morre de medo ou qualquer outra reação tendo as emoções negativas como protagonistas, com certeza tudo fica mais difícil.

Com as dicas e fazendo o exercício, você conseguirá sair mais rapidamente da situação complicada que o aflige.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Arun Kr/Pexels.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.