5min. de leitura

Falta de empatia é a barreira da vida nos dias atuais

Empatia é o sentimento de identificação, compreensão, entendimento, afinidade e sintonia com o outro. É colocar-se no lugar do outro. É a capacidade de identificar as emoções do outro.

Fiquei pensando, nessas últimas horas, sobre o crime ambiental e humano que foi o rompimento de uma barragem de rejeitos da extração de minério de ferro, em Brumadinho, aqui em Minas Gerais, relacionando-o com uma situação que me aconteceu na semana passada. Parece loucura comparar duas situações de origens totalmente diferentes, mas acredito que tudo o que envolve o ser humano, em algum momento se relaciona. Os dois fatos demonstram a falta de empatia.


Empatia é o sentimento de identificação, compreensão, entendimento, afinidade e sintonia com o outro. É colocar-se no lugar do outro. É a capacidade de identificar as emoções do outro.

Os sentidos de empatia são múltiplos, de acordo com a variação dos fatos. Mas chamo a atenção para o aspecto de “colocar-se no lugar do outro”. Aí está uma tarefa difícil, não é mesmo? Muitas vezes, pouco sabemos sobre quem realmente somos numa determinada situação, pouco nos inserimos num contexto.

Como se colocar no lugar do outro? Pois é, pode ser difícil, mas basta pensar se você gostaria que determinada situação acontecesse com você, ou com quem você ama. Se você ficaria feliz em saber que uma pessoa te fez uma maldade.

Na semana passada, um conhecido me pediu uma ajuda para resolver um conflito de um familiar. Confesso que não gosto e nem sou fã de opinar nos problemas alheios, principalmente de terceiros. Porém, como eu gosto muito dessa pessoa e, claro, a empatia reina em meu coração, fiz de tudo para ajudá-la. Ela havia, inclusive, me falado que acreditava ter dado certo.


Porém, depois, eu precisei de um favor dela e ela simplesmente sumiu. Sem dar nenhum sinal. Bloqueou-me. Estou ainda pensando no que houve.

Na sexta, quando ouvi sobre o rompimento, logo pensei: “não acredito! De novo?”. Pois é, de novo. Vieram-me logo à mente as pessoas, o meio ambiente, a história, a vida. Tudo se perdeu. Em questão de segundos. Como pode uma empresa de renome deixar novamente um acidente/erro acontecer novamente? Os laudos estavam dando risco baixo. Para mim, a grande questão é: se havia algum risco, mesmo baixo, por que não tomaram uma medida, pensando no que poderia acontecer? A questão da empatia, nesse caso, caminha com a ética. Como o valor à vida das pessoas não está à frente do lucro?

A empatia está presente em todas as nossas relações. E nesses dois fatos, não é diferente. É impossível viver qualquer situação e não pensar nas pessoas que estão ao nosso redor.

Nossos sentimentos, nosso valor pelo outro perpassa pela empatia. As relações, tanto de amizade quanto profissionais, passam pelos mesmos princípios de respeito. Sei que o coração chega a se encher de ódio, raiva ou somente sofrimento, somos humanos. Porém, como “troco”, devemos guardar somente o que sobrou de melhor daquilo que vivemos, em qualquer situação. Ressignificar a dor em amor.


Aos familiares e amigos das vítimas, sinto a dor da perda com vocês. Ocasiões diferentes, mas o sentimento é o mesmo. Que a empatia seja a ponte de nossas vidas para a barreira do lucro, do uso das pessoas para, apenas, quando é conveniente.

Falta empatia no mundo. Mas que ela esteja em primeiro lugar dentro de nós. Que a empatia esteja conosco.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo:  123RF / Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.