ColunistasComportamento

Fama, riqueza, cargo não estragam a pessoa, apenas derrubam máscaras

Não é de hoje que a gente assiste aos valores se distorcerem, inverterem-se, virarem de ponta cabeça.



Todos sabemos que a ética deve pautar nossas ações e nossos comportamentos onde estivermos, porém, ao longo do caminho, muitas pessoas se perdem daquilo que aprenderam como certo, na busca por aquilo que pensam serem focos de felicidade.

Conviver em sociedade requer que tenhamos algumas atitudes e comportamentos pensados e articulados previamente. Em muitos momentos, temos que agir não exatamente como gostaríamos, porque a situação assim o pede, porque, naquele contexto, é o correto a se fazer.

Existem certas normas de conduta em determinados espaços públicos, no trabalho, ou seja, adequar a linguagem, a postura, o tom de voz será necessário em vários setores de nossas vidas.


Da mesma forma, ao nos relacionar com as pessoas, já não se tratará somente de nós, mas outras vidas estarão envolvidas, outros pontos de vista, outros sentimentos enfim. Ou seja, ter essa consciência de que nossas ações atingem outros indivíduos e que olhar além de nós mesmos é um exercício diário nos tornarão aptos a ser empáticos, tolerantes e pacíficos, o que é uma carência universal nos dias de hoje.

Infelizmente, algumas pessoas não conseguem conviver com o outro, porque, para elas, o outro nem existe, o outro não é digno de ser notado, pois o que vale tão somente é o que elas pensam, querem, falam. Vivem em solilóquios, tapando os olhos e ouvidos ao que não lhes interessa.

Apenas querem alcançar os próprios objetivos, a qualquer preço, custe o que custar. Não importam escrúpulos, sentimentos alheios, dores que não sejam suas. O pior é que essas pessoas, ainda assim, conseguem atuar e protagonizar personagens solidárias, simpáticas e agradáveis junto àqueles que possam lhes oferecer o que querem.

São capazes de enganar, de articular, de se aproximar das pessoas que importam, com uma incrível habilidade teatral digna de prêmio. Mas, assim que alcançam os seus objetivos, mostram quem verdadeiramente são, deixando aquela plateia que os aplaudia atônita, incrédula, estupefata.


Por isso, quando dizem que fulano mudou muito depois que subiu na vida, saiba que não houve mudança alguma, apenas se fecharam as cortinas da peça. Fama, riqueza, sucesso, cargo, nenhum deles estraga a pessoa, apenas traz à tona o que ela cultiva dentro de si, sob sorrisos falsos e gentilezas orquestradas. Corações bons não mudam de acordo com a oportunidade.

 

Publicado originalmente em Prof. Marcel Camargo.


Estelionatário é investigado por seduzir 15 namoradas e aplicar golpe de mais de R$ 100 mil!

Artigo Anterior

“Se seu coração é grande, nenhuma ingratidão o flecha, nenhuma indiferença o cansa”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.