publicidade

A família como suporte da nossa individualidade

Como é que pessoas que partilham o mesmo ADN são tão diferentes umas das outras? Não deveria a genética ditar tendências iguais de personalidade?



Sempre me intrigou o tópico família. Eu, como “loba solitária” desde pequena, sempre tive muito enraizado o conceito de: amigos vão e voltam, mas a tua família está sempre lá. Tive poucos amigos, e todos eles se foram. Porém, a porta está sempre aberta para casa da minha mãe ou da minha avó.

Estas mulheres da minha vida sempre me ensinaram que, para o bem e para o mal, a família está sempre lá. Por muito casmurros que todos possam ficar por eu parecer ser a “ovelha negra” num rebanho branco e limpinho, caminhando na direção oposta, a cara feia apaga-se e dá lugar àquele sorriso de como quem diz: “deixa pra lá”.

Ao mesmo tempo que o meu pequeno núcleo familiar me odiou por me amar, confortaram-me na minha miséria, e apoiaram-me na minha felicidade. E continuam a fazê-lo.


A FAMÍLIA

Sempre disseram que o Mundo é cruel, mas que eu tenho de fazer parte dele porque estou aqui, e assim é a vida. Ao mesmo tempo, elogiam a minha coragem de ser diferente e não lutar para que os outros me compreendam.

E estas doces contradições são o que mostra que as pessoas que estão conosco desde que nascemos são aquelas que menos têm a ver conosco, porque é como um teste do Universo. Na verdade, é o maior teste da nossa vida.


O amor incondicional é aprendido com estes estranhos familiares. Estranhos porque nos dizem uma coisa e fazem outra, mas familiares porque o seu rosto e palavras estão sempre gravados na nossa memória.

Há pessoas que reclamam mais do que eu da sua família, com traumas e passados fortes, membros da família que se foram embora como se fossem estranhos. Há maldade envolvida, discussões não-resolvidas, silêncio em tempo indeterminado.

Há também as pessoas que falam com carinho e uma ternura de vidro daqueles entes queridos que já se foram, e a cada palavra parece que um choro enorme vai começar.

Mas o que elas e eu temos em comum é que estamos aqui, como extensão, prolongamento. Na verdade, a morte não existe, e a essência de alguém prolonga-se no infinito do Universo, como um eco que ninguém consegue ouvir.

Mas a personalidade de alguém, a maneira de ser, os trejeitos e missão de vida, são continuados num legado, no nosso legado. Eu sou assim por causa da minha família.

A FAMÍLIA - FOTO DE CAPA E FOTO 02

Não por causa de ouvir os conselhos deles, de copiar a sua experiência de vida, ou sequer por causa do meu código genético. Essas coisas não significam nada perto do que eles me ensinaram sem dizer: eu sou assim porque eles estão na minha vida, e como minha família vão estar para sempre.

Por serem muito críticos, ensinaram-me a lidar com a crítica.
Por serem reconfortantes na sua companhia, ensinaram-me a dar conforto mesmo sem dizer uma palavra.

Por todas as coisas que são e fazem, certas ou erradas, imprimiram em mim aquilo que quero para a minha vida, e a vontade insaciável de aprender como obtê-lo.

Por isso, às pessoas que consideram não ter toda a sua família consigo, ou considerá-la de alguma maneira defeituosa, aconselho pensarem duas vezes. Sem eles, tu não eras o que és (ou estás a aprender a ser).

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.