faxine se

 



Num dia difícil, daqueles que você repensa sua importância no mundo, estava eu sentindo minhas dores e me afogando em angustias, então resolvi parar pra pensar o porquê disso: Não pode ser por tudo, nem tudo está ruim, embora realmente pareça que esteja.

O que realmente está me afetando? Com quem devo compartilhar esse mal estar emocional? Por onde eu começo a contar? Meu confidente vai conseguir sentir a empatia que preciso ao confidenciar a minha dor?  Tenho mesmo a necessidade de contar tudo isso, que não sei de onde veio, nem para onde vai?

Esses dias sombrios são frutos de dores acumuladas, que deixamos passar porque a correria do dia não nos permite dar atenção. É uma frase sarcástica do chefe, é um fora de alguém que até então parecia tão interessante, é uma piadinha de mau gosto, pode ser uma prova mal feita, uma entrevista de emprego que mais uma vez não deu em nada, podem ser tantas coisas que aquebrantam o espírito e num certo dia simplesmente acordamos com uma nuvem negra pairando sobre nossas cabeças, com direito a raios e trovões.


E acreditem: nada bagunça mais a vida do que pequeninas dores que se acumulam. Dores são como sujeira acumulada, você tem que parar para limpar.

Me dei conta de que quase nunca nos autoanalisamos. Damos tanto valor à análise dos outros sobre nós, suas críticas, opiniões e quase nunca nos damos a chance de entender o que se passa dentro da gente, e olha que somos os maiores interessados no assunto.

Então o que fazemos é chamar um diarista para limpar a NOSSA casa. Deixamos que vasculhem cada canto do nosso ser e joguem fora aquela sujeira que guardamos. Mas amigos, só nós sabemos exatamente onde tem aquela sujeirinha melancólica, aquele pó de decepção, aquela teia de amargura nos lugares que outras pessoas não descobririam, porque fomos nós que vimos e deixamos lá para limpar outro dia… E não limpamos.

Faxine-se! Tome um tempo para isso. Pare, respire e mãos a obra.


Comece pelas teias de amargura, elas são produtos do passado, não precisam estar ali, remova-as!

Varra toda sujeira, dessa vez não para debaixo do tapete, mas para fora. Encare o problema, entenda o que está te fazendo mal: mágoas, decepções, irritações… Limpe tudo!

Por ultimo, reorganize-se. Libere espaço. Analise o que realmente te afeta, se for importante, guarde numa gaveta de fácil acesso para resolver num dia mais calmo. Veja se o motivo da dor de fato deve ser levado em consideração, as vezes só acumulamos dores desnecessárias, e se pararmos para organizar tudo direitinho, tudo se ajeita.

Se nos sentimos tão bem após uma faxina em casa, tão organizados, tão conhecedores do nosso espaço, tão orgulhosos por termos feito uma tarefa que só trará benefícios, imagina quando essa faxina for interior!


Em um relacionamento sério comigo!

Artigo Anterior

Quando uma porta se fecha, outra se abre…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.