ColunistasReflexão

A felicidade não está no que você recebe, mas na forma que a percebe!

Porque a felicidade não está no que você recebe mas na forma que a percebe. site 1

Quando o amor não nos é entregue na forma de um presente com laço de fita tendemos a olhá-lo de lado, desconfiados da aparência desanimadora e, algumas vezes, abandoná-lo à própria sorte.



Nem todo presente tem laço gigante, papel de seda com purpurinas coladas. Alguns, precisam do bom e velho jornal para protegê-lo, pois são frágeis e podem quebrar com a falta de cuidado; outros, nem precisam de embalagem dado a forma e o conteúdo forte e vibrante.

Não importa a embalagem ou a falta dela, todos, essencialmente, precisam ser usados sem moderação, ansiedade, expectativa, dúvida e, principalmente, medo.

Quando ganhamos um avião, ele não funcionará como um carro nem mesmo como um drone e vice-versa. Se ganharmos uma boneca que fala, não esperemos que ela penteie os próprios cabelos.


Cada presente que recebemos da vida é único e vem do jeito que você pediu. Portanto, antes de pedir algo, é preciso se preparar para recebê-lo.

Como crianças nos portamos mal diante de um presente que não funciona como imaginávamos. Tendemos a reclamação, a pirraça e ao desespero, quando as duas primeiras reações resultam em mais frustração.

Não adianta ao receber o presente, acreditar que não foi isto que pediu, que não foi desta maneira que você pensou que ele funcionasse, pois frustração é um sentimento completamente ligado a sua expectativa.

Portanto, não tem nada a ver com a forma com a qual o presente se apresentou ou chegou até você. Está ligado única e exclusivamente com você e suas experiências – futuras e passadas. E, onde está o presente nisto? O presente está lá pronto para termos experiências e vivências diferentes da que imaginávamos, para nos surpreender, nos transformar ou transformar-se conosco.


Ah, mas a surpresa não foi tão agradável?! O presente nos furou o dedo e como não esperávamos nos machucar, nos magoamos, nos assustamos, ficamos tristes e angustiados.

Entenda que não foi o presente que magoou, mas sim, suas esperanças depositadas nele, seus anseios nada imunes a aceitação, aprovação e preocupação com a opinião alheia.

Crescer é aprender que nem sempre lindas embalagens vão nos trazer um sorriso largo no rosto, assim como nossos embrulhos não vão nos manter num rio de lágrimas.

Se acreditarmos que tudo é amor e que o presente é perfeito, deixamos de sofrer e seguimos acreditando que tá tudo certo mesmo quando ao nosso ego, parece tão errado.


Maturidade é aceitar que um belo presente nem sempre vem acompanhado de laços, nós e fitas colantes. E, que velhos papéis amassados e empoeirados podem ser um bem mais precioso que seda, pois nos ensinam o grande valor da vida que é inexorável: somos o nosso grande presente. E, que quando ultrapassamos o papel frágil do sofrimento egóico, reconhecemos uma paz assustadora, que aos olhos de outros beira à loucura.

Portanto, ultrapasse a barreira da aprovação, aceitação e preocupação e viva o presente, como se não houvesse amanhã e qualquer sentimento de tristeza transpassará e você passará a reconhecer o valor de um presente pelo que ele realmente é: uma bênção, que você ainda não sabe como funcionará e precisará aprender a usar.

Porque a felicidade não está no que você recebe, mas na forma que a percebe.

____________


Direitos autorais da imagem de capa: yarruta / 123RF Imagens

Quero meu bebê de volta!

Artigo Anterior

Tempo é vida! e ele pulsa dentro de ti!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.