Felizes anos velhos! sem eles, não seriamos quem somos hoje

Que seria de nós se não fossem os anos passados, os saudosos anos que muitos de nós lamentamos por não mais os termos.

Ficamos ansiosos a espera da nova era e suas possibilidades. Fazemos mil planos, pois motivados com a mudança, sabemos, serão novas energias.



São com os recomeços que nos empolgamos, focamos no que ainda não realizamos.

Cansados da mesmice, empurramos com a barriga, esperando que as coisas erradas se consertem, mas então, chegando no final, percebemos que fomos relaxados e displicentes; é nessa fase de comemorações que tomamos decisões, antes preguiçosas.

Mudanças de hábitos e pensamentos podem acontecer em qualquer época, mas teimamos em acreditar que somente serão possíveis num ano que ainda vem.

Se pararmos um instante, fazendo um balanço do que fomos, perceberemos que ainda somos as mesmas pessoas, só que com mais bagagem. Não será o novo ano que proporcionará o melhor, chances sempre tivemos, nós é que não as aproveitamos.


Ao nos despedirmos dos anos velhos, deveríamos fazê-lo com melancolia e até um certo arrependimento, se não fossem eles, não seríamos quem somos hoje.

Cada ano vivido acrescentou algo de importante na nossa essência. Cada ano passado confiou na gente, e mesmo carregando muito de nós, nos fortaleceu. Anciões, esses anos já envelhecidos estiveram sempre dispostos a nos ensinar, só não aprendeu quem foi cabeça dura.

Como os anos que já se foram, nós também já começamos a morar no passado, também esperamos que não nos ignorem; quem sabe nos considerem apenas como geração “vintage”, que seria um elogio.

Para que o novo surja e a brilhante nossa vida, ele precisa ter força e a força vem do conhecimento. Seria mais ou menos como um aparelho ultra-moderno, com toda a sua coerente funcionalidade. Não fora inventado do nada, antes de ser o que é, já teve deficiências. Toda grande invenção precisou de aprimoramento, de pessoas que acreditavam no projeto, para que fosse melhorado. Até os gênios da humanidade foram ingênuos, suas mentes brilhantes puderam estar adiante do seu tempo, mas haviam limitações técnicas e filosóficas.


O velho sempre dará lugar ao novo, é assim que deve acontecer, mas nunca poderão ser considerados com valor reduzido, porque por trás de todo bom resultado, houve muito esforço.

Somente quando aprendermos a valorizar o velho, é que poderemos usufruir sabiamente do novo.

Ao comparamos o velho com o novo, já sabemos qual sai ganhando, na maioria das vezes. O mais novo destaca-se, chama a nossa atenção, quando na verdade é o velho que possui mais experiência. Calejados e sofridos, os anos passados não têm a capacidade de absorver muitas informações, mas, então, adaptam-se, mostrando que ainda podem participar, mesmo com suas limitações.

A estrutura do velho é solidificada, pois possui alicerce confiável. Construções novas são acolhedoras e vistosas, conquistam-nos de cara, mas, talvez, não nos ofereçam a segurança necessária. Subestimar os antigos anos é cuspir no prato que se comeu.

Velhos e novos podem conviver juntos em harmonia, se formos espertos para aproveitar o que cada um tem a nos oferecer.

Somente saberemos o que nos espera com os anos que ainda virão, que estão prestes a acontecer, se tivermos a consciência que um não vive sem o outro.

________________

Direitos autorais da imagem de capa: halfpoint / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.