Um dos maiores desafios da vida é mantermos nossa autenticidade. O mundo nos cobra, o tempo todo, que nos adaptemos às suas regras e exigências. Porém, cumprir essa expectativa significa, algumas vezes, abandonar nossa verdade interior.



Como, então, sobreviver nessa selva, sem abrir mão de nossa espontaneidade? Este é um desafio que todos os que se tornam em algum momento da vida, buscadores sedentos de contatar a sua dimensão espiritual, precisam enfrentar.

Seguir o direcionamento do coração nos impõe a necessidade de fazer escolhas, muitas vezes difíceis. Mas, ao mesmo tempo, sabemos que isto é imprescindível na jornada evolutiva.

Não há saída, a não ser pagar o preço necessário para nos mantermos fiéis à nossa real identidade. Se formos capazes de permanecer conscientes deste processo, poderemos evitar os retrocessos que insistem em querer se impor.


A partir do momento em que decidimos vivenciar plenamente nosso Eu autêntico, deixamos de nos identificar com as mentiras que tentam nos impor e uma segurança sólida passa, então, a predominar.

Somente, assim, confiando acima de tudo em nossos próprios insights, é que seremos capazes de deixar fluir a fonte de sabedoria que todos carregamos em nosso interior.

Ela se manifesta abundantemente quando nos permitimos relaxar e deixar de lado a exigência em corresponder às expectativas alheias. Ao fazer isto, a tensão começa a desaparecer, dando lugar a um estado de paz e felicidade.

“Quando você era criança… comprometeram você – você vendeu o seu ser para nada. O que você ganhou é simplesmente nada, apenas lixo. Por pequenas coisas, você perdeu a sua alma. Você concordou em ser outra pessoa diferente de si mesmo, é onde você perdeu seu caminho.


Sua mãe queria que você se tornasse alguém, o seu pai queria que você se tornasse alguém, a sociedade queria que você se tornasse alguém. E você concordou. Aos poucos, decidiu não ser você mesmo. E desde então, tem estado fingindo ser outra pessoa.

…Você não pode amadurecer… Se usar uma máscara, a máscara não pode amadurecer. Ela é morta… Por trás da máscara -esconderijo- você não está crescendo. Você pode crescer somente se você aceita que você está seguindo para ser você mesmo e mais ninguém.
…A maior calamidade é aceitar ser outra pessoa: você nunca pode amadurecer.

Você nunca pode amadurecer como outra pessoa. Você só pode amadurecer como você mesmo. O “dever” tem que ser descartado. E você tem que abandonar toda preocupação sobre o que as pessoas dizem: Qual é a sua opinião ? Quem são elas?


Você está aqui para ser você mesmo – você não está aqui para cumprir as expectativas de outra pessoa. E todo mundo está tentando isso. Seu pai pode estar morto, e você ainda está tentando cumprir a promessa que fez a ele. E ele estava tentando cumprir a promessa de seu próprio pai, e assim por diante e assim por diante. A loucura está muito atrás, lá no começo.

Tente entender e ter coragem – e tome a sua vida em suas próprias mãos. De repente, você vai ver uma onda de energia. No momento em que você decidir – “Eu vou ser eu mesmo e mais ninguém, qualquer que seja o custo, vou ser eu mesmo”. Naquele exato momento, você verá uma grande mudança. Você vai se sentir vitalizado. Você vai sentir a energia fluindo em você, pulsando”. 

Osho – O Alfa e o Ômega

Por Elisabeth Cavalcante


Liberando o passado…

Artigo Anterior

Pelo prazer e alegria de viver!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.