Forçar um amor é inútil, mas forçar um rompimento pode nos salvar!

Não conseguiremos obrigar ninguém a nos amar, mas poderemos nos obrigar a deixar de amar alguém, para que não tenhamos que deixar de amar a nós mesmos.

Infelizmente, ninguém consegue mandar no coração, pois ele é rebelde e, muitas vezes, teima em desobedecer aos comandos de nossa razão. Difícil conseguirmos fazer com que nossos sentimentos andem o tempo todo de mãos dadas com nossos pensamentos, uma vez que parecem ser o coração e o cérebro órgãos incomunicáveis entre si. E é assim que a gente sofre e não consegue sair daquilo que faz mal.



Talvez tomar a decisão de tirar alguém de nossas vidas seja uma das atitudes mais difíceis de serem tomadas, seja um amigo, um colega, um familiar, seja um amor.

A gente se acostuma com o que já está junto de nós e, pior, a gente se acostuma também com o que faz mal, com o que nem falta faria. Eis uma das situações em que parecemos não raciocinar direito, em que a carga afetiva embaralha nossa capacidade de discernimento.

A vida está tão corrida, que mal temos tempo de olhar a nós mesmos, de escutarmos aquilo que nossa essência tem a nos dizer, ou seja, prestamos atenção em tudo o que está fora de nós, relegando-nos ao papel de meros coadjuvantes da vida que é nossa. E, então, vamos arrastando o que já está conosco, mesmo que isso tudo pese demais, deixando para depois o que pede o agora, o que é essencial e urgente, preocupados que estamos com as satisfações a serem dadas aos outros e com as contas acumuladas.

Por isso é que a gente se preocupa tanto com o que não temos e com quem não chega junto, enquanto mantemos em nossas vidas coisas inúteis, momentos esquecíveis e pessoas que nem caminham mais ao lado. Por isso é que sofremos tanto por quem não merece, choramos tanto pelo que não tem mais volta, lamentamos tanto o que não faz falta alguma, simplesmente porque ficamos olhando o que está longe, sem prestar atenção no que mais importa, que é o que já faz parte de nós.


Nossa sobrevivência independe, na verdade, daquilo que não possuímos, mas sim da qualidade de tudo o que mantemos junto, dia após dia. Manter o que machuca, o que emperra, o que nada faz, nada volta, nada soma, faz muito mal.

É preciso mandar para longe os lixos emocionais, para além da dor e do sofrimento que isso possa causar.

Não conseguiremos obrigar ninguém a nos amar, mas poderemos nos obrigar a deixar de amar alguém, para que não tenhamos que deixar de amar a nós mesmos. É assim que se respira.

________


Direitos autorais da imagem de capa: dandamanwasch / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.