publicidade

Fronteira do azul…

O alarme do relógio invade o ambiente,
Mas ele se recusa a abrir os olhos,
Pensava em como aqueles dias se passavam depressa…
Ao menos aproveitara cada segundo,
Conforme aos filhos fizera a promessa.



O dever chamava e com ele, a difícil tarefa:
Novamente, da família tinha que se distanciar;
Um beijo na esposa querida…
Um “eu te amo” expresso no olhar…

Fitou os filhos com carinho,
Enorme era o desejo de abraçá-los!
Aqueles rostos angelicais dormindo,
Só mesmo tanto amor para impedi-lo de acordá-los.

Vai de encontro ao trabalho,
E quanto mais o mar se impõe no caminho,
Mais o coração fica apertado.

Mas mesmo onde o azul do mar predomina,
E apesar do coração desolado,
Ali encontra o amparo de outra família,
Unida pelo mar, confinado.


Os dias vão se passando…
E chega o dia do dever cumprido;
Enfim o mar abre suas fronteiras para o retorno ao lar.
O coração se refaz, como se nunca tivesse partido.

Agora de volta aos braços da família,
Ele vê o esforço compensar:
Presente no sorriso de cada um que ama;
Presente na abundância e conforto de seu lar.


Percebe então a tamanha importância,
Daqueles dias que deixa de compartilhar.
Afinal de contas, são aqueles dias distantes;
Que lhes permitem sonhar.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.