Comportamento

Funcionárias denunciam loja de roupas que as obriga a fazer agachamentos e pagar multas, caso engordem

As contratadas começaram a perceber que as “regras estranhas” na verdade serviam mais como instrumento vexatório e acabavam reduzindo o salário.



A busca pelo “corpo ideal” atinge mulheres do mundo inteiro, e reforça padrões de beleza e consumo inatingíveis. Com a popularização das redes sociais, a perseguição da vida perfeita é reforçada pelos influenciadores e famosos, que compartilham suas rotinas, que de simples não têm nada.

A indústria da moda e dos cosméticos utiliza a insatisfação feminina com seus corpos para criar uma fatia de mercado inesgotável, vendendo produtos como solução para qualquer problema.

Esses estereótipos são reforçados por quaisquer marcas ou lojas que tenham a aparência como principal produto, fazendo com que os próprios funcionários sofram as consequências.


Em Cingapura, vendedoras da loja Southaven denunciaram nas redes sociais a tortura psicológica e física por que passavam diariamente no trabalho. Elas afirmam que eram obrigadas a fazer agachamentos e a pagar multas, caso engordassem, precisando mandar fotos sempre que se pesavam, sendo frequentemente controladas.

Segundo o jornal China Press, as funcionárias têm entre 20 e 27 anos e precisavam atualizar seu peso regularmente em um grupo chamado Fat Club (Clube das Gordas, em tradução livre). Toda vez que seu peso se elevava, eram obrigadas a pagar multas, cujos valores eram descontados diretamente do salário, ou forçadas a trabalhar no depósito da loja, para que os clientes não as vissem.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Além do controle dos corpos, elas também recebiam multas por inúmeras “infrações” que cometiam no interior da loja, como deixar de tapar a caneta, não levar as roupas para os provadores no tempo estipulado, esquecer de abastecer ou desligar a chaleira elétrica, abrir as portas sem usar as maçanetas ou esquecer de trancar a caixa registradora.


As multas variam entre R$ 1,40 e R$ 6,25, que saíam do salário antes mesmo que elas pudessem ver. As vendedoras ainda denunciam a loja por serem obrigadas a pagar jantares aos melhores funcionários do mês com o próprio dinheiro, trabalhar 12 horas por dia, com menos de 30 minutos de intervalo, e de não receber hora extra corretamente.

Em nota, a Southaven afirmou que a culpa era das próprias mulheres, já que elas aceitavam participar das “dinâmicas” por conta própria, e que, caso não aceitassem, isso não influenciaria no desempenho de cada uma.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Eles ainda disseram que as meninas faziam os agachamentos porque foi uma forma que encontraram de passar mais “confiança às funcionárias que não cumpriam seus objetivos ou não batiam as metas”.


No site, a empresa afirma que exalta o “visual chique saudável”, que tem um ambiente agradável, junto com executivos do varejo “dedicados e amigáveis”, que tornam as compras “satisfatórias e agradáveis”. As autoridades estão apurando o caso.

Nova lei da cidade do Rio Janeiro proíbe pessoas de manter animais acorrentados!

Artigo Anterior

Maquiadora reforma estúdio com as próprias mãos e realiza sonho: “Se você quer, faça acontecer”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.