Gente desapegada mesmo, não guarda mágoa no coração!

Quer desapegar? Desapegue. Comece já: abra o coração e jogue fora o que não presta. Tire o lixo. Dispense o entulho, o peso morto, o que está sem uso. Elimine de você toda substância inútil. Atire porta afora as questões sem solução, os velhos arrependimentos, as lembranças ruins. Tire o peso. Deixe ir.



Desapego a gente não pratica só com coisa material, não. Jogar fora uma roupa usada é fácil. Doar um sofá é mole. Duro é se livrar de um antigo preconceito, uma ideia arraigada, uma raiva que não quer sair da gente. Uma mágoa que, de tão grande, não passa mais na porta.

Abra os armários e vire as gavetas para baixo. Jogue fora. Estufe grandes sacos plásticos com provocações mal digeridas, respostas atravessadas, caras feias, decepções, venenos, picuinhas e outros restos da vida de um dia depois do outro.

gente-desapegada-mesmo-foto-01


Jogue fora o que puder, livre o espaço de dores e queixas e angústias. Limpe tudo. Arraste uma vassoura nova, de cabo firme e comprido, no vão escuro embaixo de cada móvel. Arranque com ácido e espátula a craca dos desaforos grudada no chão. Esfregue as paredes até sumirem as marcas de rejeições e abandonos. Desenrole a mangueira de água, abra a torneira até o fim e lave com sabão e boa vontade a sujeira do coração e da alma.

Mande a imundície embora sem culpa e sem medo. Desencane, desencalhe, desentupa. Desapegado mesmo não é só quem não liga para dinheiro ou quem divide uma fortuna com os mais pobres. É quem não abre mão da liberdade: a dele e a dos outros. Gente desapegada não prende nem se deixa prender. Não acumula. Não se apega a um navio afundando. Não gasta energia com carga inútil nem guarda mágoa. Porque mágoa é substância-irmã do cigarro, dos conservantes, dos agrotóxicos e outros venenos: dá câncer.

gente-desapegada-mesmo-foto-de-capa-e-foto02


Desapegar pode até não ser o mesmo que perdoar ou esquecer. Mas mora perto, bem perto. Quem desapega aprende a seguir em frente, passar de lado e deixar lá atrás o que não presta, o que nada vale. Vive a dor até entender o seu recado. Aceita a tristeza até assimilar o seu sentido. Depois solta as amarras e vai. Desapega e vai adiante mais leve, mais forte, mais vivo. Mais livre.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.