5min. de leitura

Gratidão é transformação!

Porque não encontramos pessoas gratas com tanta facilidade? Como as pessoas sabem que são gratas?



As pessoas sabem reconhecer a verdadeira e simples gratidão?

A gratidão parte do princípio da aceitação. Quando aceitamos nossa existência, nosso trabalho, nossa rotina, e o meio em que vivemos, aceitando o que não podemos mudar, vivendo naquilo que se acredita, vivenciando cada momento, basta prestar atenção: as coisas fluem melhor. Expressões como: que dia lindo! Que flor linda! Que lua linda! Que pãozinho delicioso! Essa roupa ficou bem em você! Pode contar comigo! Eu entendo! Ou mesmo um simples e sincero obrigado, são expressões que nos causam bem estar. E este sentimento nos torna gratos, mesmo sem perceber.

O hábito das boas palavras nos traz sensação de conforto e, se mudarmos nossa rotina, observando e procurando observar o que nos faz bem aos olhos e ouvidos, certamente teremos uma melhor autoestima e consequentemente cada vez mais o sentimento de conforto e bem estar tomarão conta de nosso pensamento e coração!


Ao mesmo tempo que observamos mais o lado bom das coisas e pessoas, vamos tentando mudar, também, nossas ações e expressões quando algo ou alguém não seja tão bom quanto gostaríamos. Evitando reclamar negativamente.

Devemos reclamar menos ou não reclamar. Porque, o que significa reclamar? Clamar duas vezes, pedir duas vezes. Ouvi essa expressão numa palestra sobre gratidão e acredite, não tinha ouvido, ainda, uma definição melhor sobre esta palavra, por mais óbvia que pareça. As pessoas que reclamam das coisas que as desagradam são as mais infelizes, e isso se torna um ciclo: quanto mais reclama mais recebe o que pede.

Então, porque não reclamar por amor? Porque não reclamar por saúde? Porque não reclamar por dinheiro? Que fique claro que, todas as vezes que você usar sua lamentação na reclamação, gradativamente se tornará e se sentirá mais infeliz.


Isso não significa que se só falarmos coisas boas deixaremos de ter preocupações, isso é inerente ao ser humano, porém, saberemos que nossa frequência mental nos abrirá a mente para encontrar soluções e novos caminhos.

Vamos postular palavras boas, pois as palavras têm poder, cada palavra tem uma energia vibratória que ativa uma determinada significância. Você é o que você fala! Você é o que você pensa!

Somos energia pura, e por isso o que dizemos vira lei, a lei de causa e efeito!

Quanto mais digo sou feliz, ou, está tudo bem, e agradecemos por todas as pequeninas coisas que nos causam bem estar,  mais nos aproximamos da faixa vibratória da felicidade e, tudo e qualquer coisa ao nosso redor, irá se transformando paulatinamente. Quantas vezes recebemos mensagens para sorrir e, quantas vezes sorrimos mesmo? Quantas vezes agradecemos, mesmo que mentalmente, por algo bom?

Nossa vibração de felicidade atrairá cada vez mais correntes que vibram na mesma sintonia e então, em pouquíssimo tempo, nosso astral se modifica e passamos REALMENTE a nos sentir bem.

Claro que isso não é mágica, nem é isso que quero fazer crer. Essa magia de que falo, depende EXCLUSIVAMENTE de seu esforço próprio e, leitores, não pensem que existirá outra pessoa senão VOCÊ MESMO, que lhe dará o impulso necessário para empreender nesta transformação. Olhe-se no espelho, você encontrará ali o RESPONSÁVEL pela sua felicidade! SÓ DEPENDE DE VOCÊ. Você é a única pessoa que poderá impulsionar a sua vida. Faça um propósito consigo mesmo, comece agora a mudar suas atitudes, pequenas atitudes, um dia após o outro dia, uma palavra, duas palavras, até chegar em uma frase de gratidão. E se observe, se esforce. Quando menos esperar, a magia já aconteceu: A gratidão em doses “pequeninas”, cresceu, e fez transparecer o grande amor pela vida e a felicidade espontânea e desejada que sempre existiu em você!

Esse é o verdadeiro bom princípio de uma vida nova!!!

Beijos na alma!

Denise Floreste

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.