Comportamento

Grazi Massafera: “Fui em busca do príncipe encantado e só me ferrei”

Capa Grazi Massafera Fui em busca do principe encantado e so me ferrei

A beldade falou em uma entrevista sobre os altos e baixos que já viveu no amor, além de sua carreira e vida pessoal.

A atriz e beldade Grazi Massafera abriu o jogo quando se trata de romance. Indicada a um Emmy Internacional por sua performance impactante na minissérie “Verdades secretas”, Grazi falou sobre seus altos e baixos no amor até aquele momento.

De acordo com informações da rede SBT de comunicação, a paranaense participou de um bate-papo descontraído com a apresentadora Angélica no canal do YouTube Mina Bem-Estar, no qual abordou esses assuntos e muito mais. Foi lá que ela deu seu parecer sobre um apelido que ganhou bem no começo de sua carreira, “Cinderela”, ainda na época em que era uma das participantes da quinta edição do reality show de convivência “Big Brother Brasil”.

Por mais que as conotações de ser chamada pelo nome de uma princesa de conto de fadas parecem ser sempre positivas, Grazi afirmou que o nome “Cinderela” lhe trouxe certo “azar no amor”. Segundo a atriz, ela já saiu do “BBB” com esse título de princesa e não nega tê-lo assumido por um tempo, pois na época ela acreditava em tudo aquilo. Mas, na sua busca de princesa pelo amor perfeito, um príncipe encantado, ela confessou que encontrou muitos sapos.

2 Grazi Massafera Fui em busca do principe encantado e so me ferrei

Direitos autorais: Reprodução Instagram / @massafera.

Ela diz que só “se ferrou” nessa jornada, mas aprendeu que como seres humanos nós encontramos parcerias no amor e em tantas outras áreas da vida.

Grazi está atualmente se relacionando com o cineasta Alexandre Machafer. Seu relacionamento mais exposto à mídia antes desse foi com o também ator Caio Castro.

Bem-humorada e com sorriso característico, a atriz de 39 anos, que falou também sobre empoderamento e feminismo, afirmou que um dos pontos nessa discussão que mais a fizeram mudar de perspectiva foi ser mãe de uma menina, a pequena Sofia — filha do também ator Cauã Reymond, protagonista da novela global “Um lugar ao sol” —, com quem Grazi foi casada. Ser mãe lhe abriu os olhos para outras formas de abordar os assuntos da vida, como corpo, feminismo, empoderamento e tantas outros.

Grazi disse que nada era mais forte para ela do que ter uma menina em um momento tão emblemático, em que ela também está se descobrindo. A atriz conta que começou a estudar questões como a estrutura do feminismo e do racismo no nosso país. Ela buscou esses assuntos para ajudar na educação de Sofia e para se reeducar.

A atriz e mãe conta que o nascimento da filha a fez ressignificar valores; sobre o feminismo, parou para analisar o quanto o machismo a havia influenciado desde que era pequena. Ela conta que durante a infância foi do tipo de criança que era reprimida por comentários do tipo “fecha as pernas” e que quer fazer diferente com Sofia. A mãe procura sempre elogiar a menina pela sua inteligência e não só pela aparência, diferentemente do que fizeram com ela enquanto crescia.

E a artista não fica de fora das discussões do momento! Ela usa a internet para analisar o enfraquecimento de padrões e contou que, com a pandemia do covid-19, que teve início no Brasil em março de 2020, ela conseguiu dar início a reflexões mais internas, uma vez que estava em um momento de extremo foco na sua carreira, mas por conta das medidas de segurança, as atividades do audiovisual precisaram ficar suspensas por vários meses.

Grazi refletiu que ser mulher é enfrentar uma batalha dobrada para conquistar espaço e respeito, lidando com várias adversidades de uma só vez, o que pode tirar de nós o foco dos objetivos.

Com a filha, ela está aprendendo constantemente uma nova maneira não somente de ser mãe, mas também de ser mulher, enquanto passa para Sofia todos os seus valores.

0 %