4min. de leitura

Hoje eu decidi: chega de barcos furados, de leite morno. Quero reciprocidade, não aceito menos, não mereço pouco

Então, hoje eu decidi: chega de barcos furados, de leite morno, de história em quadrinhos, de sonhos desconcertados.


Passei muito tempo buscando garantias, procurando por portas abertas que pudessem ser fechadas por mim, a sete chaves, por toda a vida. Vivi à procura de certezas e de alguma estabilidade, para conseguir ter um pouco de sossego e paz para a alma.

Sempre preferi o certo ao invés do duvidoso, a duras penas, causando mais insatisfação do que qualquer segurança que eu procurava.

Porque muitas vezes, o porto que achamos ser seguro, pode ser sem graça e não servir para nossos barcos.

Aquele emprego promissor e estável nem sempre é o que nos tira da cama com alegria. O relacionamento sério, de verdadeiro, apenas o conformismo.


Não apoio uma vida de aventuras, sem perspectiva, deixando o vento levar. Mas o excesso de precaução e desmedida preservação impedem que encontremos abrigos leves, despreocupados, histórias novas e despojadas que dão o toque especial que nenhuma proteção consegue dar.

A imprecisão dos acontecimentos permite a participação da autenticidade esquecida e da criatividade disfarçada.

Deixar que a trama siga, sem a perfeição do roteiro, promete os shows mais incríveis e inesquecíveis!

Na vida, vale a pena acreditar nas nuances variadas que nos cercam, convém apostar em prazeres incertos. Muitas vezes, o sabor passageiro de um instante, permanece bem marcado nos eternos que sonhamos para nossas vidas. Aprendi, que dura para sempre, o que permanece vivo do lado de dentro, e só.


A gente insiste demais em caminhos tortos, histórias miadas, sonhos pequenos. A gente se acomoda em viver dias iguais, arroz com feijão, sem tempero e sem sabor. Sofre demais diminuindo a esperança, pensando acanhado, sem brilho, sem ousadia.

É hora de decidir se vai ou se fica, se muda o passo, segue a marcha ou se resolve ficar onde está sem reação, sem cor, sem vida.

Então, hoje eu decidi: chega de barcos furados, de leite morno, de história em quadrinhos, de sonhos desconcertados.

Hoje eu só quero histórias bonitas, dias coloridos, banquete de afeto, com bom gosto e paladar apurado. Eu quero café pelando, banho quentinho, cama arrumada, lençol perfumado. Eu quero abraço apertado, sorriso largo, companhia e boa conversa. Eu quero verdade, eu quero reciprocidade, não aceito menos, não mereço pouco.

Hoje eu abandono meus modestos desejos por realizações abundantes, bonitas e felizes.

Porque descobri que a vida passa rápido demais para deixar passar o melhor que posso querer  para mim.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.