Notícias

Homem é condenado por chamar deputado do PT de “capitão cueca”

Foto: Flickr
Sem titulo 1

A Justiça Federal do Distrito Federal condenou Alves Júnior por crime de injúria, sentenciando-o a cinco meses de prisão e, como decidido na última semana, multa de R$ 5 mil paga ao político.

Segundo denúncia, Alves Júnior gritou com Guimarães, xingando-o de “capitão cueca”, “cabra safado” e “político vagabundo”, além de acusá-lo de roubar dinheiro público e o enviar para Cuba e Venezuela.

A interação foi gravada e publicada nas redes sociais. O vídeo foi compartilhado também pelo empresário Luciano Hang, da Havan.

De acordo com a juíza Pollyanna Kelly Alves, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, que sentenciou a multa do injuriador na semana passada, o caso “não consubstancia exercício do direito à liberdade de expressão e manifestação do pensamento”. Além disso, ela considera-o uma situação única, já que Guimarães não tinha como fugir dos insultos.

Gilberto Alves Júnior injuriou José Guimarães em 2019

Alves Júnior, em 2019, sentou-se ao lado de Guimarães em um avião e o acusou: “Aqui eu tô do lado do capitão cueca, que foi pego com dinheiro na cueca, aqui é o Zé Guimarães, do PT, que roubou o Brasil inteiro. Mandou dinheiro para Cuba, para a Venezuela, apareceu na televisão com dinheiro na cueca. Se defenda, deputado, diga aí! Cadê o dinheiro que estava na cueca?“.

Na gravação é possível ver que o deputado se mantém quieto, até que afirma que irá processar o homem. No entanto, Gilberto Alves Júnior continuou a falar, fazendo piadas e provocando o político.

“Diga que é mentira, capitão cueca! Diga, capitão cueca, que é mentira que você roubou o Brasil. Bilhões, e tá aí com o Rolex no braço. Dois iPhone 10 na mão, tudo fruto de quê? De roubalheira! Cabra safado, não sabe nem se defender, não tem coragem de se defender”, expressou.

A fala “cadê o dinheiro que estava na cueca?” é relacionada ao caso de José Adalberto Vieira da Silva, ex-assessor de Guimarães, que foi preso em 2005 por estar com 100 mil dólares em sua cueca, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

0 %