Pessoas inspiradoras

Homem gasta mais de R$ 330 mil das próprias economias para alimentar pessoas pobres na pandemia

Conheça a história do executivo que decidiu doar a maior parte das suas economias para ajudar os trabalhadores migrantes da sua região.



Sabemos que a pandemia tem feito muitas vítimas no mundo, um vírus que além de deixar as famílias sem seus entes queridos, também tem aumentado os níveis de pobreza. Pessoas que em épocas normais estariam trabalhando para conseguir sobreviver, agora estão desempregadas. Junto com a pobreza vem a fome, um mal que infelizmente ainda assola nosso planeta.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente existem mais de 21 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar aguda. A fome é agravada pela pandemia, e países que já eram vulneráveis são ainda mais prejudicados. Nesses momentos de incerteza, em que crianças passam fome diariamente, precisamos contar com todo apoio necessário.

Ramu Dosapati, executivo de recursos humanos corporativos, foi uma das pessoas que se importaram com o próximo em 2020.


Residente de Hyderabad, na Índia, o executivo decidiu ajudar os trabalhadores migrantes que foram fortemente impactados pelas enchentes provocadas no local e, principalmente, pela pandemia.

Ramu gastou mais de R$ 330 mil de suas próprias economias para instalar e operar um “caixa eletrônico de arroz”, doando alimentos e itens básicos de higiene durante o dia todo, sete dias por semana, para as famílias mais necessitadas. Chamada ATM Rice, a iniciativa tem ajudado a alimentar muitas famílias em situação de extrema vulnerabilidade e pobreza.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Ramu Dosapati.

Pode parecer que Ramu tinha muito dinheiro e que decidiu investir parte de seus bens no projeto humanitário porque tinha condições para isso. Mas a verdade é que não! Ele conheceu os trabalhadores migrantes através de uma guarda de segurança. Ramu conta que, no dia do aniversário de seu filho, ele foi a um mercado comprar os ingredientes para o jantar de comemoração.


Durante suas compras, ele percebeu que uma mulher estava comprando uma grande quantidade de frango, tão grande que chegava a causar curiosidade em todos que estavam observando a cena.

A grande compra de frango daquela mulher custou o equivalente a US$ 2.500, e isso despertou tanta curiosidade em Ramu que ele decidiu perguntar o que aquela mulher faria com tanta comida. Ela então explicou que trabalhava como guarda de segurança em um acampamento para trabalhadores migrantes e que tinha decidido comprar aquele alimento como forma de presentear os moradores dali que haviam ficado sem comida.

Nesse momento, Ramu perguntou sobre o salário que ela recebia, e descobriu que ela ganhava cerca de US$ 6.000. Esse foi o momento em que o executivo compreendeu tudo: aquela mulher havia gastado mais de 2 mil dólares para ajudar pessoas que passavam fome, mesmo recebendo um salário de 6 mil dólares. Em entrevista ao Business Insider India, Ramu contou que ele acompanhou a guarda até o acampamento para poder conhecer aquelas pessoas.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Ramu Dosapati.


Quando chegou ao local, decidiu fazer uma lista das 200 pessoas que precisavam urgentemente de assistência, e doou imediatamente dinheiro para elas. Porém, percebeu que aquela ajuda pontual não duraria muito tempo, e os trabalhadores migrantes logo voltariam a passar fome.

Ramu decidiu usar seu fundo de aposentadoria para abrir, junto com um comerciante local, o ATM Rice com uma despensa de alimentos básicos.

Essa ajuda de Ramu já pode ser considerada uma grande e honrosa atitude, mas ele não se contentou apenas com isso. Descobriu que um novo grupo de trabalhadores migrantes havia chegado à região e que, assim como os outros, precisava de muita ajuda. Decidiu falar com sua família e tomar uma grande decisão! Ramu usou o dinheiro que estava juntando para financiar uma casa maior para ajudar essas pessoas vulneráveis. Para garantir auxílio ao próximo, ele preferiu adiar seus sonhos pessoais.

A atitude de Ramu é inspiradora e faz com que acreditemos na bondade das pessoas! Mesmo quando o momento parece sombrio e triste, sempre haverá alguém para estender a mão. E caso você possa ajudar uma pessoa próxima, não deixe essa oportunidade passar, é uma atitude de nobreza pensar no próximo com bondade e amor, mesmo que sejam completamente desconhecidos.


Achou a história de Ramu inspiradora?

Compartilhe-a com seus amigos esse exemplo de esperança!

“Eu quero que o povo valorize os professores”, diz Jill Biden, primeira-dama americana

Artigo Anterior

Paola Carosella anuncia saída da Band: “Muita honra de ter participado do MasterChef”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.