Pessoas inspiradoras

Homem percorre ponte na China há 18 anos para salvar pessoas. Ele já evitou mais de 400 mortes!

Chamado de “o anjo de Nanjing”, o senhor Chen Si patrulha os três quilômetros da ponte impedindo que pessoas desesperadas pulem nas águas que ficam embaixo.



Nanjing é a capital da província de Jiangsu, 300 quilômetros acima do rio Yangtze em relação a Xangai. Durante a dinastia Ming, era a capital da China, tanto que muitos monumentos e artefatos continuam na região, como o portal Zhonghua e uma parte do gigante muro que protegia a entrada da antiga cidade, datado do século XIV.

Em 1968, a ponte Nanjing Yangtze River, com dois pavimentos, foi apresentada ao mundo como um dos maiores feitos da engenharia chinesa, chegou a figurar no Guiness Book como a mais longa estrada dupla e ponte ferroviária do mundo mas, segundo informações do Today, hoje se destaca por ser considerado o local onde a maioria dos suicídios acontece.

Há quase duas décadas, Chen Si dirige até a ponte Nanjing todos os fins de semana, e fica patrulhando os três quilômetros de extensão para garantir que nenhuma pessoa se jogue nas águas do rio Yangtze. Ele já conversou com centenas de pessoas, e faz isso de forma voluntária, convencendo-as a não tirar suas vidas, o que acabou lhe rendendo o apelido de “anjo de Nanjing”.


Chen Si explica que não possui nenhuma qualidade extraordinária ou característica fora do comum, apenas demonstra empatia por todos aqueles que chegam à “ponte do suicídio”, independentemente dos motivos. Já foram cerca de 412 vidas salvas nesses 18 anos, quase uma a cada quinze dias.

Direitos autorais: reprodução YouTube/South China Morning Post.

Tudo começou quando ele tinha 22 anos e avistou uma mulher, migrante como ele, chorando na beira da ponte, enquanto pensava em pular. Chen Si parou imediatamente para conversar com ela, que acabou descendo e indo embora. Desde então, já foram pessoas de vários tipos, com problemas diversos, mas ele sempre pensou que poderia salvar mais e mais vidas.

Chen Si costuma dizer que é uma pessoa simples e muito comum, que cresceu na pobreza, na província rural de Jiangsu, por isso compreende, mesmo que um pouco, o desespero de quem tem muitas dívidas, por exemplo. Além da sua vivência, ele também comprou inúmeros livros de Freud, o que lhe despertou curiosidade pela psicologia.


Direitos autorais: reprodução YouTube/South China Morning Post.

Mesmo que tenha ajudado uma quantidade grande de pessoas, ele também presencia muitas quedas, e isso pesa muito sobre seus ombros. Ele conta que há alguns anos não conseguia se proteger dos suicídios, pois sempre era assombrado pelas pessoas que não tinha sido capaz de salvar. Agora Chen Si explica que, quando alguém pula, ele se afasta.

Estima-se que a ponte de Nanjing seja o local onde mais pessoas se suicidam, ultrapassando a ponte Golden Gate, há alguns anos. O diretor de um grupo da sociedade civil na cidade, Zhang Chun, revela que eles não contam mais o número de mortes, sabem apenas que são mais de três mil vidas perdidas.

Algumas pessoas nunca são encontradas, o que leva a crer que os números apresentados pelo governo sejam incompletos. Um estudo publicado na revista médica Lancet, em 2019, mostra que os problemas de saúde mental estão cada vez mais comuns na China, e sugere que a rápida mudança social tenha causado estresse e pressão psicológica nos indivíduos.


Direitos autorais: reprodução YouTube/South China Morning Post.

O senhor Chen Si agora tem voluntários que o ajudam nessa missão de salvar as pessoas, e chega a treinar até estudantes de psicologia, o que mostra a urgência do trabalho que realizam.

Em um antigo escritório, ele construiu dois dormitórios para ajudar pessoas desesperadas, que não tivessem onde passar a noite, e pintou nas paredes o lema: “Chore quando você precisa chorar.” Ele não acredita que seja um anjo, apenas que leva luz para as pessoas que precisam, mas que, infelizmente, não consegue salvar todas elas.

Direitos autorais: reprodução YouTube/South China Morning Post.


Mas o trabalho voluntário tem um preço, Chen Si lamenta que a esposa tenha ficado com o fardo de cuidar da casa e do filho sozinha, mesmo assim informa que só vai parar quando já não tiver mais forças para puxar as pessoas para cima. A inacreditável história desse senhor virou livro, filme e continua a ser escrita.

Seleção feminina de handebol da Noruega se recusa a usar biquíni em jogos e é multada em R$ 9,2 mil

Artigo Anterior

Pernambucana que sofreu violência doméstica e perdeu dois filhos vence depressão e abre restaurante!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.