Comportamento

Homem trans foi demitido de empresa na véspera do primeiro dia: “Cota de pessoas diferentes atendida”

Quando o empregador ficou sabendo do gênero do futuro empregado, optou por desistir da contratação. Confira!



Conforme a questão de gênero tem sido discutida mais frequente e abertamente, as pessoas estão aprendendo mais sobre o próximo e, em alguns casos, desenvolvendo mais respeito e consideração por aqueles ao seu redor.

Essa melhor aceitação das diferenças se reflete na sociedade de uma forma geral, seja dentro de casa, junto dos familiares, com os amigos e até mesmo no âmbito profissional. Algumas empresas, inclusive, fazem questão de manter um quadro de funcionários bastante diverso, num esforço para promover a inclusão.

No entanto, mesmo em meio a essa realidade, em alguns lugares, o tratamento recebido pelas pessoas transexuais é o oposto do que gostariam. Há pouco mais de um mês, uma notícia bastante desagradável foi compartilhada por uma dessas pessoas.


Segundo informações do Extra, Eduardo Príncipe de Lira Rocha, um homem trans, foi demitido apenas um dia antes de começar a trabalhar. O motivo foi o que mais chamou a atenção.

No domingo, ele recebeu uma mensagem do empregador lhe dizendo que havia reconsiderado e optado por não oferecer-lhe mais a vaga, isso porque as “cotas de pessoas diferentes” já estavam preenchidas na empresa.

O empregador ainda explicou que 99% dos funcionários do local são mulheres, e que gostaria de contratar um monitor masculino. Segundo ele, o fato de ter uma “cota de pessoas diferentes” já completa é uma justificativa de que não tem preconceito.

Direitos autorais: reprodução.


No final, ainda disse que só ficou sabendo da “condição” de Eduardo após a contratação, e que não tinha nada contra, mas que essa vaga era para apenas para o “sexo masculino”. O homem contou a história nas redes sociais, inclusive com os prints da conversa.

Ele ainda contou que chegou a enviar uma cópia da certidão de nascimento ao empregador, onde é reconhecido pelo Estado como do sexo masculino mas, segundo ele, isso não serviu para nada, pois o posicionamento se manteve.

A situação despertou uma preocupação em Eduardo, que já estava contando com o emprego para atender a todos os seus compromissos. Na ocasião, ele declarou que não sabia o que faria para pagar o aluguel ou as contas dos próximos meses. Também disse que sabe que as coisas não têm sido fáceis para ninguém nos últimos tempos, mas que situações como essa o fazem questionar até quando esse tipo de situação acontecerá.


“Mulher gosta de homem que mande nela”, afirmou Thiago Lopes, marido de Andressa Urach

Artigo Anterior

Mãe cortou o cabelo da filha após ex-marido fazer tranças afro sem a sua permissão

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.