Comportamento

Idoso preso por ajudar esposa com esclerose múltipla a realizar eutanásia é absolvido!

Ángel Hernández preparou uma medicação para a esposa María José Carrasco, que sofria de esclerose múltipla havia 30 anos.



Sofrendo de esclerose múltipla por três décadas, María José Carrasco pediu muitas vezes ao marido Ángel Hernández para ajudá-la com a eutanásia. Como estava presa num corpo que não mais obedecia aos seus comandos, ela precisava de ajuda para concluir o processo, considerado crime na Espanha, país onde moravam.

Assim que chegou à fase terminal, o marido optou por ajudá-la, e lhe deu pentobarbital sódico e filmou o momento em que a esposa partiu deste mundo. Segundo reportagem do El País, Ángel conta que ela, aos 61 anos, não sofreu e que “morreu dormindo”.

Ele tinha 69 anos quando o caso aconteceu, e se tornou a primeira pessoa na Espanha a ser presa por ajudar alguém que não tinha capacidade de tirar a própria vida.


Hoje, aos 71 anos, ele conta que poderia ter feito tudo de forma clandestina, mas conversou com sua esposa, que já havia sido funcionária do judiciário, e explicou que seria muito importante que o caso transcendesse, assim poderia ajudar outras pessoas que passam pela mesma situação.

Ela dizia que “queria o final o quanto antes”, e já havia tentado, muitos anos antes, o suicídio, mas Ángel a havia convencido de não tentar mais, chamando a emergência imediatamente. Ángel sabia exatamente os riscos que estava correndo quando aceitou ajudar a esposa, mas eles tinham esperado que a lei de regulação da eutanásia fosse para a frente na Espanha, impulsionada pelo Partido Socialista Operário Espanhol.

Direitos autorais: reprodução YouTube/Los Informantes.

Direitos autorais: reprodução YouTube/Los Informantes.


O projeto enfrentou uma dura dose de burocracia e acabou parado na mesa do Congresso, sem chegar a ser debatido em plenário. O casal viu a grave doença se alastrando cada vez mais, causando ainda mais danos físicos e emocionais a María José. Em julho deste ano, o Ministério Público retirou a denúncia contra Ángel depois que entrou em vigor a Lei de Regulamentação da Eutanásia, em 25 de junho.

Os esforços de ONGs e da população fizeram com que a lei fosse aprovada, mas dois anos depois de María ter passado pelo processo, o que a deixava com receio, já que não queria ver o marido preso. Foram apenas sete anos, desde o diagnóstico, para que María fosse reconhecida como gravemente incapacitada.

Depois disso, foram mais de duas décadas convivendo e tentando convencer seu marido, em meio a tantas reformas para adaptar a casa, de que ela preferia partir. Em 3 de abril de 2019, ele colocou o remédio em um copo e deu para sua esposa, que bebeu sozinha e, em dez minutos, já havia falecido.

Direitos autorais: reprodução YouTube/Los Informantes.


Em entrevista, Ángel explicou que o desejo de sua esposa precisava ser respeitado, e que todos têm direito à liberdade individual. O promotor disse que María expressava constantemente seu desejo de acabar com a própria vida, já que passava por muito sofrimento e uma dor que era incapaz de suportar.

Há 21 anos, ele foi abandonado num metrô, mas casal homoafetivo o salvou e o adotou!

Artigo Anterior

Mulher se recusa a abandonar marido que está em coma há 39 anos. “Ele ainda está vivo”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.