Comportamento

Na Indonésia, quem não usa máscara é obrigado a cavar covas para as vítimas de covid-19

CAPA Na Indonesia quem nao usa mascara e obrigado a cavar as covas das vitimas da Covid 19

País mais afetado do Sudeste Asiático recorre a “punições sociais” para conscientizar a população dos riscos de contágio e infecção do vírus.



A sensação de que a pandemia está no fim tem nos acompanhado diariamente. O anúncio de que muito em breve poderemos nos vacinar é a luz no fim do túnel que faltava, um feixe de esperança que aquece o imaginário da nossa população. Mas é importante lembrar que ainda falta algum tempo até que todos andemos nas ruas sem máscaras ou que possamos nos aglomerar sem preocupações.

A vacina pode ter chegado, mas poucas pessoas foram imunizadas, e por precisar de duas doses, é importante manter as medidas de segurança e o uso correto da máscara por todos.

Mas a pandemia atingiu o mundo todo, e não é apenas aqui que as medidas de segurança são tomadas. Na Indonésia, principalmente na sua parte rural, a punição para quem se recusa a usar máscara é severa! Caso o morador seja flagrado circulando sem o item, ele é forçado a cavar sepulturas para as vítimas do coronavírus. De acordo com a reportagem da CNN, a medida foi tomada para que o trabalho forçado ajude a criar empatia nas pessoas que se recusam a ajudar no controle da propagação do vírus.


A punição serve também para quem é menor de idade. As autoridades locais informaram que, no início de setembro de 2020, cinco menores da região de Gresik tiveram de cavar as covas.

Mesmo sendo um item indispensável na atualidade, uma parte da população do país se recusa a adotar o uso de máscaras. Além disso, não existe vigilância nas ruas, o que impede a contenção da propagação do vírus. Até o momento, mais de 900 mil pessoas foram infectadas e, ao menos 25 mil, morreram, segundo dados do Ministério da Saúde da Indonésia.

O aumento exacerbado dos casos fez com que o governo aprovasse uma lei exigindo o uso de máscara em público, mas não definiu quais seriam as punições, deixando a decisão para os líderes locais.

Na Indonésia, para fazer cumprir a exigência do uso de máscara, criou-se uma força-tarefa chamada de “três pilares”. As Forças Armadas do país, junto com a Polícia Nacional e as autoridades locais se unem para aplicar a lei, em toda a região. Em Cerme, essa força-tarefa aplica multa de 150 mil rúpias (U$$ 10) ou uma “punição social” para quem descumprir a regra.


O líder de Cerme, Suyono, diz que a maioria dos moradores aceita cumprir a punição social, que consiste em fazer flexões ou a limpeza em algum lugar. A decisão por cavar sepulturas foi uma medida adotada para que tenha um efeito educativo, e mesmo que eles tenham que preparar a cova onde as vítimas serão enterradas, não precisam participar do enterro.

2 Na Indonesia quem nao usa mascara e obrigado a cavar as covas das vitimas da Covid 19

Direitos autorais: reprodução/Secretary Salatiga Regency.

Em Jacarta, a capital do país, um homem foi obrigado a se deitar em cima de um caixão publicamente, depois de ser pego sem usar máscara. Embora sejam punições duras, não se sabe se a medida aumentou o número de pessoas que aderiram ao uso da proteção.

Além disso, a Indonésia foi o país que mais registrou infecção do vírus no Sudeste Asiático, no segundo semestre de 2020, com um sistema de saúde lotado de doentes.


De 4 a 17 de janeiro, cerca de 140 mil pessoas foram infectadas no país, que também aprovou o uso emergencial da Coronavac, assim como o Brasil. A esperança é que a imunização dos moradores contenha o nível de infecções no país, que tem somado muitas mortes.

O que acha dessa medida? Obrigar moradores a cavar sepulturas é uma boa estratégia?

Comente e compartilhe com seus amigos para saber o que eles acham!


Gusttavo Lima anuncia doação de 150 cilindros de oxigênio para Manaus

Artigo Anterior

Whindersson Nunes, Simone, Tatá Werneck e outros artistas se mobilizam para ajudar Manaus

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.