Intrometer-se na vida alheia é como mexer em uma colmeia

Observe uma colmeia de abelhas, ouça o seu zunido, observe todo o seu frenesi e trabalho. As abelhas têm sua própria vida e não nos oferece risco algum, a não ser se formos nos meter onde não somos chamados, a não ser que as ameacemos.

A mesma coisa acontece com a vida e o problema dos outros. Quando nos metemos na vida alheia, quando queremos resolver um problema que não nos diz respeito, quando mexemos onde não somos chamados, quando nos envolvemos em situações problemáticas as quais não podemos fazer nada para ajudar, certamente saímos machucados.

Em situações de perigo, mantenha distância. Isso não quer dizer virar as costas para quem amamos, isto significa “desapegarmos da vida do outro”, pois não podemos evitar o sofrimento do mundo e se nos envolvermos nos problemas dos outros a ponto de sofrermos com eles, nós deixaremos de ajudá-los e passaremos a atrapalhar, pois só somaremos as dores e não teremos mais nenhum alívio para oferecer.

Só podemos ajudar a quem amamos se pudermos manter o nosso equilíbrio físico, mental, energético e espiritual, e para isso não precisamos virar as costas quando estes passarem por algum tipo de dificuldade, mas devemos manter distância emocional. Nunca vivermos a vida do outro, mas, sim, e tão somente, a nossa vida.

Ajudamos as pessoas quando não nos envolvemos nos problemas que não podemos ajudar, quando finalizamos uma discussão, quando evitamos brigar, quando não falamos mal, quando não criticamos.

Ajudamos uma pessoa quando estamos bem e quando fazemos somente o que nos é possível fazer, permitindo que cada um aprenda com os próprios erros, confiando sempre na Providência Divina (Universo, dê o nome que quiser) quando não há nada que possa ser feito.

Lembre-se: Diga “Não” quando uma situação colocar em risco o seu bem-estar, seja ele físico, mental, emocional ou espiritual, escolha, antes de qualquer coisa, manter a sua paz mental, faça o que você puder para ajudar aos que estão ao seu redor, desde que isso não o prejudique.

Não entre na insanidade dos outros. Carregue a sua própria lanterna e não a deixe se apagar, porque é ela que iluminará o seu caminho e o caminho de outros.

Não entre em brigas, não tente controlar a vida dos outros, não sofra com o sofrimento alheio, pois tudo tem uma razão de ser, ajude aos outros quando esta ajuda não for um peso para você. A ajuda real é aquela que lhe dá prazer, esta ajuda é o amor real.

O amor verdadeiro nunca pode ser visto como um fardo. O amor verdadeiro nos enche de alegria, de confiança na vida.

Quando você faz algo com amor, você se sente leve, grato pela oportunidade de ajudar. Porém, se você está sofrendo por causa de alguém, se você está perdendo a sua paz devido ao comportamento de alguém, o erro é seu e não da pessoa, porque ela está vivendo a vida dela e você está se envolvendo neste negativismo por vontade própria, uma vez que cada um é responsável pela própria vida.

Só ajudamos aos outros quando isto não nos enfraquece, só iluminamos a vida de alguém com a nossa luz, quando a mantemos e não quando a perdemos e nos juntamos a alguém na sua escuridão. Mantenha a sua luz, somente você é responsável por ela.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf /Imagens



Deixe seu comentário