Notícias

Irmãos com doença cardíaca rara recebem corações com 48 horas de diferença

Gustavo de 18 anos e Paloma de 19 realizaram a cirurgia e transplante foi um sucesso. Ambos passam bem e se recuperando.



No hospital das clínicas de Botucatu, em SP, uma história comovente teve um final feliz. Dois irmãos que sofrem de uma doença genética rara, conseguiram no mesmo fim de semana, doadores compatíveis. O procedimento foi realizado no hospital e segundo o coordenador clínico do programa de transplante cardíaco, Marcelo Felício, tudo correu bem, mesmo a doença sendo rara.

Ele explicou para o G1 que essa condição genética faz com que o músculo do coração inche, causando uma hipertrofia. Com o coração dilatado ocorrem arritmias graves e muitos pacientes acabam tendo morte súbita.

Gustavo conseguiu um doador compatível primeiro. Na sexta-feira (dia 9), o órgão saiu do Paraná e chegou até São Paulo pela Força Aérea Brasileira. Depois do transplante, enquanto se recuperava, a irmã de Gabriel conseguiu outro coração compatível!


O presente para a mãe dos irmãos foi a constatação de um milagre. Noeli Rodrigues de Souza também passou por um transplante de coração e perdeu um filho de 15 anos pela mesma doença.

Segundo o especialista, ela é passada geneticamente pelo lado materno. Ela relatou que como havia passado por um óbito dentro de casa, tinha muito medo de ver mais dois de seus filhos falecerem por conta da condição genética.

Relata que ficou impressionada e até a medicina ficou abismada com o que aconteceu. Em plena pandemia aparecer dois corações compatíveis com seus filhos foi algo que ela jamais esquecerá.

Direitos autorais: Hospital das Clínicas de Botucatu/divulgação.


Direitos autorais: Hospital das Clínicas de Botucatu/divulgação.

Segundo ela, os filhos passam bem e estão se recuperando da cirurgia na mesma Unidade de Terapia Intensiva do Hospital. As doações durante a pandemia caíram bastante. Por causa da baixa oferta de órgãos, é realizado apenas 27% da demanda de transplante cardíaco no país, aponta Marcelo.

Somente no mês passado em São Paulo, 135 pessoas aguardavam por um transplante de coração. Ver que dois irmãos conseguiram esse feito rapidamente, é motivo de gratidão.

Noeli reforça sobre agradecer às famílias que autorizaram a doação de órgãos, porque é um bem maravilhoso que fazem. Ela finaliza agradecendo de coração. O que achou dessa incrível história? Acredita que pode ser um milagre? Comente abaixo e compartilhe esse texto com seus amigos!


Após desejar morte de Paulo Gustavo, pastor alagoano será processado

Artigo Anterior

Hospital inova e usa “prontuário afetivo” para acolher pacientes internados na UTI com covid-19

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.