Pessoas inspiradoras

Jovem que era cortador de cana vence dificuldades e forma-se em Medicina!

Wellington Gomes precisou batalhar muito para conseguir concluir a faculdade de Medicina, em Pernambuco, mas nunca desistiu de seus sonhos e sempre recebeu o apoio de seus pais.



O quanto você luta pelos seus sonhos? Não é sempre que as coisas vão se apresentar para nós de forma fácil, em alguns momentos vamos precisar batalhar muito para alcançar nossos objetivos. É claro que não se deve romantizar o sofrimento de quem possui pouca renda ou acesso aos direitos básicos, como educação, mas algumas histórias vêm nos mostrar que devemos continuar lutando pelo que queremos.

Nascido na zona rural de Ribeirão, em Pernambuco, Wellington Gomes sempre trabalhou como cortador de cana-de-açúcar, uma ocupação que seu pai também tinha. A vida de quem realiza trabalho braçal é mais difícil do que se imagina, o desgaste físico e emocional é constante, existindo pouco espaço para o descanso ou para se recompor. Todos os dias, de sol a sol, é preciso colher mais e mais cana, para que o pagamento, ao fim do mês, seja minimamente aceitável, na maioria das vezes sequer cobre os gastos.

Seguindo o conselho de seus pais, que eram analfabetos, Wellington percebeu que só conseguiria mudar sua realidade através da educação. Para eles, apenas o estudo levava ao caminho do sucesso, principalmente para quem não nasceu em família rica e abastada, não tendo nenhum privilégio. Em suas redes sociais, o jovem explica como tudo aconteceu em sua vida. O ponto de partida da grande mudança de sua vida: seu pai.


O pai sempre acreditou que Wellington deveria se esforçar cada vez mais para conseguir estudar, fazer uma faculdade e mudar de vida. Quando estava no 1º ano do ensino médio, o jovem descobriu que a Universidade de Pernambuco (UPE) realizava um vestibular seriado, o que facilitaria muito sua entrada no ensino superior. O vestibular seriado consiste em provas anuais nos três anos do ensino médio, fazendo com que o jovem possa ter um aproveitamento melhor de suas notas ao longo dos anos.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@_wellingtongomes_.

Mas quando Wellington descobriu isso, faltavam apenas dois dias para as inscrições se encerrarem, mas tinha um problema: ele não tinha dinheiro para pagar a taxa. Ele chegou até o pai e explicou do seu sonho, que queria entrar na universidade dessa forma, mas que não tinha nenhum tostão para pagar o valor que exigiam. O pai não pensou duas vezes, e se prontificou a ir com o filho trabalhar para conseguirem a quantia necessária.

Eles trabalharam até cerca de 16h, em um local chamado engenho São Pedro, e, segundo Wellington, o trabalho foi muito exaustivo. Com o dinheiro que conseguiram naquele dia, puderam pagar a taxa de inscrição e uma conta de energia que tinham pendente. O jovem conta que aquele foi o primeiro momento em que acreditaram, de fato, nos seus sonhos, e o ajudaram para que ele ficasse cada vez mais próximo de conquistá-lo.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@_wellingtongomes_.

Wellington afirma que é o resultado de muito esforço e determinação, mas, também, da soma de esforços de diversas outras pessoas, como seu querido pai. Em sua publicação, ele agradece a todos que, de uma forma ou de outra, contribuíram para que ele conseguisse estar prestes a se formar em Medicina na UPE. Ele pede, ainda, a Deus, que possa usar suas mãos para salvar vidas.


 



Ver essa foto no Instagram



 

Uma publicação compartilhada por Wellington (@_wellingtongomes_)

Que linda história! Wellington se esforçou muito, e recebeu muito apoio de pessoas importantes na sua vida. Esperamos que a trajetória dele seja cada vez melhor!

Compartilhe essa história nas suas redes sociais e comente abaixo o que achou!

Idoso é visto carregando cão nas costas durante sol forte. Não queria que suas patinhas se queimassem!

Artigo Anterior

“Eu não acho que uma mulher deva decidir isso”: médico se recusa a ligar as trompas de mãe solteira

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.