EspiritualidadeMensagem de Reflexão

Julgar o outro é fácil, mas e a si mesmo? – pergunta o papa francisco:

papa
É fácil julgar os outros, mas seguimos adiante no caminho cristão somente se temos a sabedoria de acusar a si mesmo: foi o que disse hoje o Papa Francisco retomando, após os exercícios espirituais, a celebração da Santa Missa na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano.



“Todos nós somos mestres, somos doutores em justificar a nós mesmos: Mas, não fui eu, não, não é culpa minha, mas sim, não foi tanto, eh … As coisas não são assim … ‘.Todos nós temos um álibi de explicação das nossas falhas, dos nossos pecados, e muitas vezes somos capazes de fazer aquela cara de “Mas, eu não sei’, cara de, ‘Mas eu não fiz, talvez seja outro”: fazer cara de ‘inocente’.

E assim se vai adiante na vida cristã”.”É mais fácil culpar os outros” – observou o Papa -, mas “ocorre uma coisa de certo modo estranha” se tentamos nos comportar de maneira diferente: “quando começamos a olhar para o que somos capazes de fazer”, no início, “nos sentimos mal, sentimos nojo”, depois isso “nos dá paz e saúde”. “Por exemplo, “quando eu encontro no meu coração uma inveja e sei que esta inveja é capaz de falar mal do outro e matá-lo moralmente”, esta é a “sabedoria de acusar a si mesmo.”

“Se nós não aprendermos este primeiro passo da vida, nunca, nunca daremos passos no caminho da vida cristã, da vida espiritual”:”É o primeiro passo, para acusar a si mesmo. Sem dizer, não? Eu e a minha consciência. Vou pela rua, passo diante da prisão: “Eh, estes merecem isso” – “Mas você sabe que se não fosse pela graça de Deus, você estaria lá?


Você pensou que você é capaz de fazer as coisas que eles fizeram, ou ainda pior?’. Isto é a acusar a si mesmo, não esconder a si próprio as raízes do pecado que estão em nós, as muitas coisas que somos capazes de fazer, mesmo se não se veem.”

O Papa sublinha outra virtude: vergonhar-se diante de Deus, em uma espécie de diálogo em que reconhecemos a vergonha do nosso pecado e a grandeza da misericórdia de Deus:

“‘A Vós, Senhor, nosso Deus, a misericórdia e o perdão. A vergonha a mim, e a Vós a misericórdia e o perdão”. Este diálogo com o Senhor vai nos fazer bem nesta Quaresma: a acusação de si mesmo. Peçamos misericórdia. No Evangelho, Jesus é claro: “Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”. Quando se aprende a acusar a si próprio se é misericordioso para com os outros: “Mas, quem sou eu para julgar, se eu sou capaz de fazer coisas piores? ‘”.

A frase: “Quem sou eu para julgar o outro” – disse o Papa – obedece precisamente à exortação de Jesus: “Não julguem, e vocês não serão julgados; não condem, e não serão condenados; Perdoem, e serão perdoados. Em vez disso – destacou -, “como gostamos de julgar os outros, fofocando sobre eles.”


“Que o Senhor, nesta Quaresma – concluiu o Pontífice –, nos dê a graça de aprender a nos acusarmos”, conscientes de que somos capazes “de fazer coisas más”, e dizer: “Tenha piedade de mim, Senhor, ajuda-me a envergonhar-me e dá-me a tua misericórdia, assim poderei ser misericordioso para com os outros”.

(Rádio Vaticano)



sources: RÁDIO VATICANO  –  Creditos: Antoine Mekary / Aleteia


10 hábitos essenciais de pessoas positivas

Artigo Anterior

A receita do papa francisco para fazer o amor durar:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.