Comportamento

Justiça proíbe enfermeira de morar com o filho por “risco de contaminação” de covid-19

justiça proíbe enfermeira de morar com o filho por risco de contaminação de covid 19

A enfermeira afirma que não está trabalhando na linha de frente desde setembro, mesmo assim, a criança permanece com o pai.



Uma enfermeira de Mato Grosso está sem ver o próprio filho, de 7 anos, há nove meses.

Antes da pandemia, a criança vivia com ela, mas a Justiça determinou agora que o menor more com seu pai, porque, segundo seu parecer, a mãe, que é enfermeira, pode levar o vírus para casa e contaminar a criança.

A enfermeira trabalhou na linha de frente por alguns meses e, para preservar a saúde do filho, combinou com o ex-marido, que vive no Paraná, que o menino ficaria com ele por alguns meses. Antes disso, segundo acordo da família, a criança ficava com o pai apenas durante as férias.


A enfermeira disse ao G1 que a criança viajou na esperança de que, entre junho e julho, estaria em casa novamente, o que não aconteceu. O menor está com o pai desde março, e ele entrou na justiça com um pedido de modificação de guarda, alegando que o filho está adaptado à nova rotina e demonstra interesse em permanecer com ele.

Há cerca de duas semanas, uma juíza de primeira instância concedeu a “tutela de urgência” ao pai, o que significa que a criança continuará morando com ele.

A juíza, que não ouviu a mãe da criança antes de tomar a decisão, que ainda é provisória, declarou que está “configurado o perigo de dano, sobretudo, diante da profissão exercida pela mãe, enfermeira, e pelo fato de a pandemia da covid-19 ainda não estar controlada em nenhum estado da federação.”

A enfermeira está insatisfeita com a situação, especialmente porque afirma que desde setembro não está mais na linha de frente, e que nesses últimos três meses tem realizado apenas trabalhos administrativos e com pacientes isolados em casa.


Além disso, ela também diz que o ex-marido está dificultando a comunicação dos dois e que, nos últimos tempos, sempre que procura o filho para conversar por chamada de vídeo ou de áudio, ele nunca está disponível. Ela acredita que o pai da criança esteja agindo dessa forma por conta de seu trabalho na pandemia.

A enfermeira disse ao portal de notícias que essa decisão a pegou de surpresa e a deixou indignada, não apenas como mãe, pois não pode chegar perto do filho, mas também porque sua profissão é primordial durante a pandemia.

Ela disse que, mesmo que ainda estivesse na linha de frente, existem protocolos de prevenção e que ela jamais desejaria o mal da criança, e se cuidaria.

O pai da criança disse, em nota, que “alegações da mãe – de que se encontra impedida de manter contato com o filho, seja presencial ou virtual – são inverídicas”, e que “o imbróglio judicial transcende a discussão em torno da atuação da mãe frente à pandemia, mas está relacionado à preservação dos direitos fundamentais da criança, como direito à vida e à saúde”.


O Conselho Federal de Enfermagem se manifestou sobre o caso, dizendo que a decisão da juíza representa uma violação humanitária.

A audiência de conciliação foi marcada para abril de 2021.

Senhora de 90 anos foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a covid-19 no Reino Unido!

Artigo Anterior

Catador muda de vida depois de achar um uniforme no lixo. O sonho dele se realizou!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.