ColunistasComportamento

Kaizen: a técnica que ajudou a reconstruir o japão pós-guerra e pode ajudar a refazer a sua vida!

Kaizen – A Técnica que ajudou a reconstruir o Japão Pós Guerra e pode te ajudar a refazer a sua

Boas dicas não faltam. Sabemos bem como podemos viver melhor em muitos aspectos. O difícil é colocar em prática, não é mesmo?



Das muitas técnicas para introduzir novos hábitos e mudanças na vida, aqui veremos uma estratégia poderosa, cientificamente comprovada, baseadas no princípio Kaizen.

Kaizen é um princípio que foi utilizado na indústria japonesa. O princípio é brilhante em sua simplicidade: tente simplesmente melhorar as coisas um pouquinho. Só isso. Um pouquinho de nada.

Seja lá o que for, como pode ser um pouquinho melhor? Assim, na aplicação original, eles foram aperfeiçoando as fábricas, linhas de produção, produtos, qualidade do atendimento, etc. e com isso conseguiram reconstruir o país depois da Segunda Guerra Mundial, transformando-o na potência que ainda é hoje.


E como vamos usar isso na nossa vida?

Primeiro, vamos ver outro princípio maravilhoso e também cientificamente comprovado para introduzir mudanças na vida.

O maior problema de começar algo novo é… começar! Sim, o começo é que mais pega.

Veja aqui meu vídeo sobre este assunto:


 É algo novo, é outra coisa, não faz parte da nossa vida. Do ponto de vista da neurociência, ativa nosso receio e nossa resistência. O que queremos é manter os hábitos atuais, ficar no automático.

Sair do automático necessita o uso de outra parte de nosso cérebro, que requer energia adicional, esforço, chega até a aumentar batida cardíaca e pressão sanguínea, mudar o tamanho da íris e disparar outras mudanças fisiológicas. Ufa! Isso tudo acontece até mesmo além de nossa percepção. Não ficamos conscientes dessas mudanças.

Mas o resultado final é simples: não gostamos de nos esforçar mentalmente! E fazer algo novo, criar um novo hábito, é um grande esforço mental.

Então, a solução é facilitar o começo. Qualquer começo, é um grande passo. A sugestão é reduzir o começo ao ponto do risível. Fazer tão, tão fácil o começo, que não tem como você se rebelar contra ele, mesmo inconscientemente. Quanto mais resistência está sentindo, quanto mais tem procrastinado a iniciar a coisa, mais simples precisa ser o começo para superar o bloqueio.


Por exemplo, se quiser finalmente começar a se tornar vegetariano, mas nem sabe onde começar, você pode determinar algo assim: amanhã, vou deixar de comer a última mordida de carne, peixe ou frango no meu prato. Pronto! Fácil, né? Só uma mordida a menos amanhã. Começou seu processo de se tornar vegetariano!

E aí entra o processo Kaizen. Agora que já começou, de um passo mínimo para frente. No caso da mudança para a dieta vegetariana, reduza mais uma mordida de carne no dia seguinte, ou se quiser ir bem lento, na semana seguinte. Fácil, fácil, sem estresse. Um pequeno, pequeníssimo passo de cada vez.

Quando notar, já estará pulando consumo de carne numa refeição, depois começa com outras e aí vai. Ou pode, no meio do processo, mudar a estratégia e escolher um dia para ser vegetariano (segunda sem carne!) e aí progredir daí.

Desta forma, logo a coisa torna-se um hábito! E aí você conquistou a transformação. Virou hábito, entrou para o automático, ficou fácil.


Essa técnica funciona mesmo e a mais poderosa que conheço para inserir novos hábitos e fazer as coisas que, apesar de serem importantes, deixamos para depois. Comece com primeiro passo, ridiculamente pequeno, e aumente bem gradualmente.

No meu livro, “O Caminho 3T” encontrará tantas dicas maravilhosas de conceitos e técnicas para introduzir e aplicar na sua vida, que vão lhe trazer enormes ganhos de bem-estar.

Quer se aprofundar mais na busca de autoconhecimento? Assista a palestra “Dhyana-yoga – O Yoga da Meditação”:

____________


Direitos autorais da imagem de capa: bowie15 / 123RF Imagens

Hoje não é tempo para eu me relacionar com ninguém.

Artigo Anterior

Livre-se desses 3 pensamentos que impactam nossa resiliência:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.