Comportamento

Menino no barril: segundo laudo, havia fartura de comida na casa onde a criança vivia

menino no barril Segundo laudo havia fatura de comida na casa onde crianca vivia

Mais uma triste descoberta sobre o caso que tocou o coração do Brasil. Entenda!



O caso do menino de 11 anos, encontrado preso em um barril, na casa onde morava com o pai, a madrasta e a filha desta, em Campinas (SP), tem mexido com os brasileiros.

Nos últimos dias, nova informação sobre a história foi divulgada. De acordo com o G1, um laudo da polícia na casa da família mostrou que havia alimentos guardados no armário e nas duas geladeiras, além de indicar a presença de correntes e um cadeado fixados no barril. A perícia no local aconteceu no mesmo dia em que o menino foi resgatado, 30 de janeiro.

Essa informação vem logo depois de a Polícia Militar ter afirmado que o menino era alimentado com cascas de fruta. A criança foi encontrada acorrentada pelas mãos e pelos pés, estava debilitada, com sinais de desnutrição. Ela se alimentava através de uma abertura feita no barril, com dimensões de 36 por 36,5 centímetros.


Além disso, a perícia apontou que na casa havia brinquedos, roupas, calçados e eletrodomésticos. Os animais que viviam no local tinham acesso à água limpa.

A repercussão do caso provocou a revolta de muitas pessoas e fez com que a casa fosse invadida e vandalizada dois dias depois da descoberta da situação do menino.

Eduardo Becker, presidente do Sindicato dos Peritos Criminais do Estado de São Paulo, disse que esses elementos podem ser usados como provas de agravante do crime.

Ele disse que o fato de a criança estar em um tambor já mostra maus-tratos e que os parafusos e correntes presos no corpo da criança tornam a situação ainda mais séria.


Becker também explicou que o fato de a criança estar em local externo também piora a situação, porque no interior da casa havia a presença de ventiladores.

Segundo ele, esse laudo pode ser usado para subsidiar as decisões do Ministério Público e da Polícia Civil em relação à defesa dos réus.

Os laudos foram anexados ao inquérito pela 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Campinas, responsável pela investigação.

O menino passou alguns dias hospitalizado, para tratar-se contra a desnutrição e depois foi levado a uma instituição de acolhimento da cidade. O país se mobilizou para ajudá-lo, e ele recebeu muitas doações de roupas e brinquedos.


O pai do menino, a madrasta do menino e a filha dela foram presos preventivamente, por crime de tortura e omissão. O Ministério Público segue acompanhando o caso.

Cozinheira desempregada decide arrecadar alimentos e fazer marmitas para pessoas necessitadas

Artigo Anterior

Depois de ter benefício cortado, homem ameaça explodir agência do INSS com bomba

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.